Governo do DF sabia da chegada de golpistas que invadiram Congresso, dizem ministros

Policiais tentavam conter os golpistas fazendo uso de sprays de pimenta, mas perderam o cabo de guerra, facilitando a invasão do grupo

Supporters of Brazilian former President Jair Bolsonaro clash with the police during a demonstration outside the Planalto Palace in Brasilia on January 8, 2023. - Brazilian police used tear gas Sunday to repel hundreds of supporters of far-right ex-president Jair Bolsonaro after they stormed onto Congress grounds one week after President Luis Inacio Lula da Silva's inauguration, an AFP photographer witnessed. (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images

Dois ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) afirmaram que o Governo do Distrito Federal sabia da chegada do grupo de golpistas, apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que invadiu áreas do Congresso, do Planalto e do STF neste domingo (8).

Segundo Valdo Cruz, da GloboNews, dois ministros - não identificados pelo comentarista político - afirmaram que o governador Ibaneis Rocha estava ciente da chegada de cem ônibus, com mais de 4 mil manifestantes, a Brasília neste final de semana e acusaram o governo de omissão ou conivência com a ação na montagem do plano de segurança contra ações de bolsonaristas radicais.

De acordo com o G1, policiais tentavam conter os golpistas fazendo uso de sprays de pimenta, mas perderam o cabo de guerra, facilitando a invasão do grupo. A polícia ainda tentou conter os bolsonaristas, que pedem por intenvenção militar, com bombas de efeito moral, mas não adiantou e os manifestantes ocuparam a parte superior e a área interna do Congresso.

Em seguida, os manifestantes avançaram para a Praça dos Três Poderes, onde houve confronto, e se dirigiram ao Palácio do Planalto, onde entraram em uma parte do complexo e perduraram bandeira do Brasil em uma janela.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Lula (PT) não está em Brasília neste domingo. Pela manhã, o presidente anunciou que iria a Araraquara para acolher as vítimas das chuvas no interior de São Paulo. "Conversarei com o prefeito Edinho Silva sobre o trabalho da defesa civil e o apoio que precisarão para reconstruir parte da infraestrutura da cidade", escreveu no Twitter.

Apesar das alegações de que tentaram conter a multidão, imagens divulgadas nas redes sociais mostram policiais militares alocados na Esplanada dos Ministérios apareceram sorrindo e tirando fotos enquanto a acontecia a invasão:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Governo não desmobilizou acampamento bolsonarista

O governo federal fracassou na tentativa de desmobilizar os acampamentos montados por apoiadores do ex-presidente Bolsonaro em frente ao quartel-general do Exército, em Brasília. Manifestantes se mobilizam em frente a prédios militares desde a vitória eleitoral do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e pedem um golpe contra o petista.

Na última quarta-feira (4), o ministro da Justiça, Flávio Dino, havia afirmado que "até sexta-feira", 6 de janeiro, as mobilizações bolsonaristas seriam resolvidas. "A condução que eu tenho com o [José] Múcio [ministro da Defesa] é de que estará resolvido até sexta", disse.

No entanto, o que se viu foi o oposto. Além de não ter conseguido expulsar os manifestantes, o governo teve que acionar a Força Nacional para reforçar a segurança da Esplanada dos Ministérios. O ministro afirmou que tomou a decisão "em face de ameaças veiculadas contra a democracia".

Os militantes bolsonaristas reforçaram na última semana a convocação para que Brasília fosse "invadida". A mobilização funcionou e diversos ônibus com manifestantes contra o PT desembarcaram na capital neste fim de semana.

*Com informações da Folhapress