Governo dos EUA apela contra restrição de acesso a materiais apreendidos em residência de Trump

Por Jacqueline Thomsen

WASHINGTON (Reuters) - O Departamento de Justiça dos Estados Unidos pediu na sexta-feira a um tribunal federal de apelações que autorize a retomada da revisão de materiais classificados apreendidos em uma busca do FBI na propriedade do ex-presidente Donald Trump na Flórida.

No pedido ao Tribunal de Apelações dos EUA da 11ª Região, o Departamento de Justiça reivindicou a suspensão de parte da decisão do tribunal de primeira instância que impede os promotores de se basear nos documentos confidenciais em sua investigação criminal sobre a retenção de registros governamentais na residência de Trump em Palm Beach após o término de sua presidência.

O departamento também pediu que um terceiro nomeado para examinar todos os registros obtidos na operação federal por parte de Trump, o juiz sênior dos EUA Raymond Dearie, não tenha permissão para revisar os materiais classificados.

O governo pediu ao tribunal de apelações para decidir sobre o pedido "assim que possível".

Os advogados de Trump não responderam imediatamente a um pedido de comentário.

Na busca sem precedentes da propriedade do ex-presidente, o Departamento de Justiça disse estar investigando a retenção de registros do governo -alguns marcados como altamente confidenciais, incluindo "ultrasecretos"-, bem como a obstrução de uma investigação federal.

O Departamento de Justiça deve agora convencer o tribunal de apelações de Atlanta, com maioria conservadora, a tomar seu lado no litígio sobre a investigação de registros. Os nomeados de Trump compõem seis dos 11 juízes ativos desta Região.