Governo dos EUA pede que cidadãos voltem ao país e não viajem ao exterior

MARINA DIAS

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O governo americano recomendou nesta quinta-feira (19) que seus cidadãos que estejam no exterior retornem o quanto antes aos Estados Unidos em voos comerciais disponíveis, a menos que estejam preparados para passar "um período indefinido" fora do país.

O Departamento de Estado americano pediu também para que os cidadãos que estejam nos EUA não façam viagens internacionais, como mais uma medida de tentar conter o avanço da pandemia do coronavírus.

O alerta de viagens internacionais nos EUA subiu para o nível 4, o mais alta da escala, usado geralmente para países em guerra ou com conflitos internos graves.

Em comunicado, o Departamento de Estado alerta que diversos países têm fechado suas fronteiras ou suspendido voos como uma maneira de tentar evitar o avanço ainda mais expressivo do vírus.

Ainda na nota divulgada nesta quinta, o governo afirma que diplomatas americanos que atuam em países muito atingidos pela pandemia foram autorizados a voltar aos EUA. Dessa forma, também deve cair a possibilidade de assistência a americanos no exterior.

O presidente Donald Trump anunciou na semana passada a suspensão dos voos de países da Europa com destino aos EUA por pelo menos 30 dias. Rotas da China também estão bloqueadas.

O continente europeu passou a ser considerado o principal foco da pandemia, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), em substituição da Ásia —a China foi o primeiro país a registrar um caso de coronavírus, ainda no ano passado, mas tem contabilizado diminuição nas transmissões.

Nos EUA, por sua vez, os casos passaram de 5.000 para mais de 10.000 em apenas dois dias e já há o registro de 163 mortes em decorrência do vírus, que atingem todos os 50 estados americanos.