Governo e oposição instauram parlamentos rivais na Venezuela após eleição contestada

Deisy Buitrago e Mayela Armas
·1 minuto de leitura
.

Por Deisy Buitrago e Mayela Armas

CARACAS (Reuters) - O Partido Socialista que governa a Venezuela instaurou, nesta terça-feira, um novo Parlamento controlado pelos aliados do presidente Nicolás Maduro, enquanto a oposição empossou um comitê rival de legisladores em uma sessão virtual, após as contestadas eleições de 6 de dezembro.

A oposição, liderada por Juan Guaidó, boicotou as eleições, consideradas amplamente como fraudulentas pelos adversários de Maduro e por muitos outros governos do Ocidente. No dia 26 de dezembro, o parlamento controlado pela oposição aprovou um estatuto para estender seu mandato para 2021.

Mas foram os parlamentares do Partido Socialista e seus aliados que ocuparam fisicamente o palácio do Legislativo nesta terça-feira, marchando em direção a ele a partir de uma praça próxima, levando fotos do ex-presidente Hugo Chávez e do fundador do país, Simon Bolívar.

A mudança marca uma consolidação formal do poder para Maduro, que no início de 2019 parecia vulnerável enquanto os Estados Unidos e dezenas de outros países reconheceram Guaidó como o líder legítimo da Venezuela.

"Vocês são exemplos para o mundo de como a democracia deveria ser exercida", disse Jorge Rodriguez, ex-ministro da Informação e que foi nomeado presidente da nova Assembleia Nacional, dirigida pelos socialistas, enquanto empossava 227 parlamentares. "Estamos aqui por mandato constitucional".

A cerimônia marcou o final simbólico da luta de cinco anos da oposição para enfraquecer Maduro, após uma vitória esmagadora nas eleições parlamentares de 2015.

(Reportagem de Deisy Buitrago, Mayela Armas e Sarah Kinosian em Caracas e Luc Cohen em Nova York)

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF AAP