Governo exonera coordenadores regionais da Funai e da Secretaria de Saúde Indígena

O governo federal exonerou 21 coordenadores regionais da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (FUNAI) e 11 chefes distritais de Saúde Indígena do Ministério da Saúde. As mudanças foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira e ocorrem em meio às ações emergenciais para o enfrentamento do grave problema de saúde pública dos povos ianomâmis.

Entre os exonerados, está o coordenador distrital de Saúde Indígena do leste de Roraima da Secretaria Especial de Saúde Indígena. O estado concentra a crise dos povos ianomâmis.

A edição de segunda-feira do Diário Oficial da União trouxe também a exoneração de outros 16 funcionários, incluindo o Coordenador-Geral de Índios Isolados e de Recente Contato e o Coordenador-Geral de Monitoramento Territorial da Diretoria de Proteção Territorial, ambos da FUNAI. Há, ainda, a dispensa de mais cinco funcionários em cargos variados.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) esteve em Boa Vista, Roraima, no sábado para definir as ações que seriam tomadas. Ele estava acompanhado das ministras Nísia Trindade (Saúde) e Sônia Guajajara (Povos Originários). Na ocasião, falou em montar "um plantão da Saúde nas aldeias" e garantir meios de transporte para a população indígena ter acesso à capital do estado.

Na sexta-feira, o Ministério da Saúde declarou emergência de saúde pública, após a equipe da pasta identificar crianças e idosos das terras indígenas em estado grave de saúde, incluindo casos de malária, infecção respiratória aguda e desnutrição.

— É desumano o que eu vi aqui. O presidente que deixou a presidência esses dias, se ao invés de tanta motociata, tivesse vergonha e viesse aqui, quem sabe esse povo não estivesse abandonado como está (...) A saúde deve ir lá na aldeia e não esperar que eles venham aqui na cidade. Nós vamos civilizar o tratamento que se dá aos povos indígenas — afirmou o presidente em pronuncimento em Roraima.