Governo federal encomenda mais 30 milhões de seringas, diz associação de fabricantes

MÔNICA BERGAMO
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governo federal encomendou mais 30 milhões de seringas às três fabricantes do item no Brasil. A informação é da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (Abimo). No começo de janeiro deste ano, o Ministério da Saúde requisitou 30 milhões de seringas de 3 ml do insumo às empresas Becton Dickinson, Saldanha Rodrigues e Injex Indústrias Cirúrgicas. Esse total deve ser fornecido até o dia 31 de janeiro. Nesta quarta (13), segundo o superintendente da Abimo, Paulo Henrique Fraccaro, as empresas receberam nova encomenda de mais 30 milhões de unidades do insumo, agora de 1 ml cada -com previsão de entrega para daqui a um mês. “Caberá a cada empresa adequar o seu sistema de produção para atender este novo pedido”, afirma Fraccaro. “Por outro lado, o ministro da Saúde, em reunião ocorrida no dia 4, deixou aberto um canal de comunicação com as empresas caso elas venham a ter problemas para entregar os pedidos recebidos.” Segundo ele, o lote inicial de 30 milhões atende emergencialmente a um início de campanha de vacinação. "Agora, o que os governos federais ou os estaduais não podem é demorar para fazer as novas aquisições, ou vamos chegar com aquisições de última hora. As empresas não estão frabricando para estoque. Elas estão fabricando para as demandas que tem recebido agora." Procurado, o Ministério da Saúde não respondeu até a conclusão desta reportagem. Em busca de seringas para a vacinação contra a Covid-19, o governo federal organizou um pregão no fim de dezembro para a aquisição de 331 milhões desses objetos e agulhas. O certame, porém, fracassou: o Ministério da Saúde conseguiu fornecedor para apenas 7,9 milhões de seringas, ou 3% do total pretendido. Bolsonaro chegou a declarar em sua conta no Twitter que as compras estavam suspensas, diante de preços exacerbados cobrados pelas indústrias. Naquele momento, o governo de São Paulo já havia concluído 27 pregões e obtido quase a metade do total pretendido. As licitações buscavam empresas para entregar 100 milhões de seringas e agulhas. Fracassaram para 50 milhões de seringas e para 51,2 milhões de agulhas. A procura pelo item também fez com que o governo federal requisitasse das fabricantes seringas e agulhas já empenhadas para governos estaduais. O ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), concedeu uma liminar (decisão de caráter provisório) contrária a esse pedido.