Governo federal vai antecipar R$ 76 milhões para ajudar crise na saúde do Rio

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, comprometeu-se nesta quinta-feira a antecipar a transferência da segunda parcela de R$ 76 milhões da ajuda emergencial para ajudar na crise da saúde municipal do Rio. O valor, que seria pago até o dia 15 de janeiro, será antecipado para antes do final do ano, de acordo com o ministro. A declaração foi feita durante uma reunião com os secretários municipal e estadual de saúde, além de deputados federais do Rio e representantes do Ministério Público, conforme noticiou o site "G1".

— Fazendo os esforços, a gente vai antecipar e vai fazer esse repasse ainda nesse exercício, até o dia 28 de dezembro — explicou o ministro.

Leia também

O ministro ressaltou, no entanto, que não basta regularizar o pagamento dos funcionários, já que diversas unidades de saúde sofrem com a falta de insumos.

— Em uma situação dessa crítica, você voltar ao trabalho sem o insumo seria um esforço muito grande que não se traduziria em atendimento para a população — afirmou.

O pedido de intervenção federal na saúde do Rio, protocolado em ofício pelo deputado Pedro Paulo (DEM/RJ), foi descartado por Mandetta.

— Não tem nenhuma possibilidade para a União fazer intervenção em municípios — disse ele, acrescentando que a crise do Rio tem motivos “financeiros, de sistema e geopolíticos."

Durante a reunião, o ministro afirmou que serão disponibilizados leitos de retaguarda nas unidades federais de saúde, que poderão absorver pacientes transferidos em caso de necessidade. Mandetta alertou, ainda, que com as ajudas recebidas do estado e da União o município vai tentar “estancar a hemorragia".

— O que a gente quer é estancar a hemorragia, retomar os trabalhadores e retomar os insumos para retomar uma normalidade de atendimento à população — disse.