Governo foi convidado há 10 meses para inspecionar código-fonte das urnas

Ex-ministro Walter Braga Netto ao lado do presidente Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Ex-ministro Walter Braga Netto ao lado do presidente Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Um ofício enviado para o então ministro Walter Braga Netto em 6 de outubro do ano passado mostra que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) convidou o Ministério da Defesa para inspecionar o código-fonte das urnas eletrônicas. A informação é da jornalista Andréia Sadi, da GloboNews.

O documento foi assinado pelo então presidente do tribunal, Luís Roberto Barroso, e havia o alerta de que as entidades fiscalizadoras poderiam fiscalizar os códigos-fonte “a qualquer tempo até a Cerimônia de Assinatura Digital e Lacração dos Sistemas para as Eleições 2022", que deve ocorrer até 2 de setembro.

Porém, só nesta semana que o atual ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira, enviou ao TSE um pedido para acessar os códigos-fontes dos sistemas eleitorais. O ofício foi classificado como “urgentíssimo”.

O pedido, portanto, ocorre dez meses depois do envio do ofício, não respeitando, assim, o prazo pedido pelo TSE, de 10 a 15 dias de antecedência.

De acordo com o portal Metrópoles, representantes do Ministério da Defesa chegaram na manhã de hoje à sede do TSE para dar início ao processo de inspeção do código-fonte das urnas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos