Governo impõe sigilo a funcionários de gabinete esvaziado no RJ

Apesar de nunca ter usado o gabinete no Rio de Janeiro, Jair Bolsonaro impôs um sigilo de 5 anos nas informações de funcionários do local. (Foto: REUTERS/Ricardo Moraes)
Apesar de nunca ter usado o gabinete no Rio de Janeiro, Jair Bolsonaro impôs um sigilo de 5 anos nas informações de funcionários do local. (Foto: REUTERS/Ricardo Moraes)

O governo de Jair Bolsonaro (PL) impôs sigilo de cinco anos a informações de funcionários lotados no gabinete regional da Presidência no Rio de Janeiro.

O espaço foi criado no início do governo Bolsonaro para que o presidente pudesse trabalhar quando estivesse na capital fluminense, mas Bolsonaro nunca esteve no local. As informações foram publicadas pelo jornal O Globo nesta quarta-feira (11).

O gabinete regional, instalado no Palácio do Fazenda, no centro do Rio, também abriga salas que costumam ser usadas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, quando ele está na cidade, segundo O Globo.

A reportagem do jornal foi ao endereço do gabinete duas vezes, mas não encontrou nenhum dos quatro servidores pagos para ficar à disposição de Bolsonaro no escritório regional.

O jornal ainda questionou o governo, via LAI (Lei de Acesso à Informação), se os servidores lotados no gabinete do Rio têm crachá da Presidência. O GSI (Gabinete de Segurança Institucional), chefiado pelo ministro Augusto Heleno, informou que não poderia responder porque os dados foram classificados como "reservado", o que equivale a 5 anos de sigilo.

“Os nominados no presente pedido de informação constam no banco de dados como servidores da Presidência da República e os ativos do banco de dados dos servidores públicos, terceirizados, prestadores de serviço, estagiários, profissionais de imprensa e colaboradores voluntários, que exercem suas funções no Palácio do Planalto, estão classificados com o grau de sigilo RESERVADO”, respondeu o gabinete ao pedido da reportagem do jornal, via LAI.

A reportagem do jornal também solicitou ao Ministério da Economia, responsável pelo prédio onde está localizado o gabinete no Rio, a relação de acessos dos servidores ao local de trabalho. A pasta, no entanto, afirmou não possuir registros.

A manutenção de um gabinete fora do Distrito Federal por um chefe do Executivo não é novidade. Quando foi presidente, Michel Temer despachava com frequência do escritório da Presidência em São Paulo, onde ele mora atualmente.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos