Governo institui autarquia para administrar legado da Rio 2016

Da Agência Brasil

Piscina no Parque Olímpico, na Barra da Tijuca Fernando Frazão/Arquivo/Agência Brasil

O governo federal alterou a estrutura da autarquia criada para a realização dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Em medida provisória publicada nesta quinta-feira (30), foi instituída a Autoridade de Governança do Legado Olímpico (AGLO), que substituirá as atribuições da Autoridade Pública Olímpica (APO), criada em 2011. A instituição atuará como uma autarquia federal temporária, com autonomia administrativa e financeira e será vinculada ao Ministério do Esporte.

A nova autarquia tem a missão de viabilizar a adequação, manutenção e utilização das instalações esportivas olímpicas e paralímpicas, administrar as instalações olímpicas e promover estudos para a adoção de um modelo de gestão sustentável sob os aspectos econômico, social e ambiental do legado da Rio 2016.

A AGLO também conduzirá parcerias com a iniciativa privada para a exploração das instalações esportivas. A autarquia ainda deverá elaborar um plano para utilização das instalações olímpicas e paralímpicas. As atividades do órgão estão submetidas à supervisão ou aprovação do Ministério do Esporte.