Governo Bolsonaro liberou R$ 1,2 bilhão para aprovar PEC dos Precatórios; Valor seria de R$ 15 milhões por voto

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Foto: REUTERS/Adriano Machado
Foto: REUTERS/Adriano Machado
  • Governo Bolsonaro teria ofertado R$ 15 milhões para cada deputado que votasse a favor de PEC

  • Negociação de emendas teria sido coordenada pelo próprio Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados

  • Bolsonaro tenta viabilizar criação do 'Auxílio Brasil', benefício que seria pago durante todo o ano de 2022

O governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teria liberado cerca de R$1,2 bilhão de reais do chamado "Orçamento Secreto" para buscar apoio na Câmara dos Deputados com objetivo de aprovar a PEC dos Precatórios. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo". 

Segundo o jornal, cada parlamentar teria recebido uma proposta de até R$ 15 milhões em troca de um voto favorável pela PEC, que viabilizaria o Auxílio Brasil, benefício que Bolsonaro planeja oferecer durante todo o ano que vem com pagamento médio de 400 reais. 

Presidente é acusado pela oposição de priorizar o programa social apenas com intuito de viabilizar sua reeleição em 2022. 

Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados, teria liderado as tratativas junto aos parlamentares, de acordo com a apuração do "Estadão". 

PEC foi votada de madrugada e venceu com pequena margem

Foto: Andre Borges/NurPhoto via Getty Images
Foto: Andre Borges/NurPhoto via Getty Images

Após intensa articulação de Lira, a PEC dos Precatórios foi aprovada em primeiro turno nas primeiras horas da última quinta-feira (04) por 312 votos contra 144. Eram necessários 308 para que a proposta avançasse.

Um ponto polêmico foi que o governo contou com o apoio de partidos da oposição a Bolsonaro. Entre eles PSB, PSDB, MDB e PDT. Este último, ainda ganhou as manchetes, após Ciro Gomes, pré-candidato às eleições em 2022, criticar a postura dos próprios companheiros de sigla. 

O "Estadão" ouviu diversos parlamentares e questionou sobre a oferta de R$ 15 milhões para quem apoiasse o projeto. Celso Maldaner (MDB-SC) confirmou que ouviu de parlamentares a existência dessa oferta. Ele votou contra e afirmou não ter recebido nada. 

Joice Hasselmann (PSDB-SP), ex-líder do governo Bolsonaro, afirmou ao veículo que a PEC jamais teria passado em primeiro turno sem as emendas. 

“Ontem vimos a intensificação dos interlocutores do Palácio, dos representantes do governo, derramando dinheiro em cima de deputado, oferecendo espaços cada vez maiores para tentar aprovar de qualquer jeito a PEC dos precatórios” (...) O instrumento de pressão é justamente o dinheiro (emendas) ou a ameaça de retirar aquilo que os parlamentares já tinham", afirmou a deputado ao veículo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos