Governo não abriu processo para criar novas questões do Enem e banco de itens está perto do fim

·1 min de leitura

RIO - O Banco Nacional de Itens (BNI), que reúne questões testadas e aprovadas para entrarem nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), está acabando, alertam servidores do Inep, instituto responsável pela realização e aplicação da prova. Atualmente, segundo duas pessoas do Inep que participaram da elaboração das provas, não há questões disponíveis para o exame de 2022.

Desde o fim do governo Temer, o banco nunca recebeu novos itens, ao contrário do que ocorria todos os anos, em gestões anteriores. Essa falta de novas perguntas explica, por exemplo, por que não houve uma só questão ou texto citando a pandemia de Covid-19. Surgida em 2020, ela ainda não existia quando as últimas questões foram incluídas no banco, há três anos.

O Inep já teve quatro presidentes durante o governo Bolsonaro. Além disso, outro posto chave, o comando da diretoria de Avaliação da Educação Básica, diretamente responsável pela elaboração da prova, também teve alta rotatividade, com seis diretores nesse período. O cargo também chegou a ficar quase cinco meses sem titular, em 2019.

Em 2020, o governo Bolsonaro lançou o primeiro edital para a escolha dos professores que montariam as novas questões. Eles foram chamados há dois meses para o curso de capacitação, que já foi concluído. No entanto, servidores do Inep afirmam que ainda não está claro se o processo está garantido com segurança, já que o prazo está apertado.

Procurados, o Inep e o Ministério da Educação não responderam os questionamentos da reportagem.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos