Governo peruano inicia diálogo com trabalhadores rurais após desbloqueio de estradas

·2 minuto de leitura

Uma comissão do governo peruano instalou nesta sexta-feira uma mesa de diálogo com respresentantes dos trabalhadores do setor agrário que protagonizaram protestos durante o mês de dezembro, após o desbloqueio de estradas no norte do país.

"Com uma escuta ativa, iniciou-se uma reunião da comissão de diálogo em Trujillo, com a participação dos ministros e vice-ministros das pastas de Agricultura, Trabalho e Comércio Exterior, o governador regional e representantes do setor agrário", tuitou a presidência do Conselho de Ministros.

Os ministros do Trabalho, Javier Palacios; do Desenvolvimento Agrário, Federico Tenorio; e do Comércio Exterior, Claudia Cornejo, reúnem-se em privado com os líderes agrários e parlamentares da região. Após mais de sete horas de conversas, eles decidiram trabalhar em 45 dias no regulamento da nova lei agrária, para corrigir pedidos salariais dos trabalhadores.

"Estamos invocando os representantes dos trabalhadores em nível nacional na discussão do regulamento", disse em entrevista coletiva o ministro do Trabalho, Javier Palacios, após anunciar que as reuniões terão prosseguimento no fim de semana.

A rodovia Pan-Americana amanheceu desbloqueada e com vigilância policial na região La Libertad, após dois dias de barricadas e confrontos entre trabalhadores e a polícia. A repressão policial ao protesto deixou três civis mortos nos últimos dias, entre eles um menor, segundo autoridades.

Um total de 36 policiais e nove trabalhadores ficaram feridos nos confrontos, informou o Ministério da Saúde. Quarenta e cinco trabalhadores foram presos.

O presidente peruano, Francisco Sagasti, propôs ontem um diálogo nacional para encerrar a espiral de protestos e de repressão em que o país se viu mergulhado pelo debate parlamentar de uma lei agrícola. Sagasti também admitiu, tacitamente, o fracasso do projeto da nova lei agrária aprovado pelo Congresso na terça-feira.

A nova lei agrária foi oficializada ontem, após publicação no Diário Oficial. Horas mais tarde, o governo concordou em enviar uma comissão ministerial para dialogar com as partes envolvidas na crise agrária no norte do país.

cm/lda/gm/lb