Governo pode dar ‘isenção’ para vacinas compradas por empresas e doadas ao SUS, diz Guedes

Manoel Ventura
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira que empresas que doarem vacinas contra a Covid-19 para o Sistema Único de Saúde (SUS) poderão ganhar “isenção” do governo.

Uma lei sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro no início deste mês autoriza compra de vacinas por empresas privadas e estabelece que enquanto durar a vacinação dos grupos prioritários, as doses compradas pela iniciativa privada deverão ser integralmente doadas ao SUS.

— Os próximos 30, 60 dias, é a vacinação em massa. Buscar vacina onde tiver. Vacinar com o setor privado, vacinar com o setor público. Se o setor privado der vacinas para a gente imunizar as prioridades, os mais vulneráveis, os idosos, podemos dar isenção para as doações — disse o ministro, durante audiência pública no Senado.

Guedes não esclarecer como a isenção pode ser feita, mas garantiu que não haveria benefício para vacinas não doadas ao SUS.

— Não pode dar uma isenção para alguém rico ir lá fora, comprar vacina e vacinar sua família. Agora, todas as doações que acontecerem, podem haver isenções. Se os bilionários brasileiros, fundos, todo mundo quiser ajudar, pode ter isenção para comprar vacina e doar para o povo brasileiro — disse.

Guedes recebe nesta quinta-feira os empresários Luciano Hang (Havan) e Carlos Wizard (Sforza) para discutir a aquisição de vacinas contra a Covid-19 pelo setor privado. Os empresários encabeçam um grupo que deseja alterar a lei para permitir que o setor privado não seja obrigado a doar as vacinas ao SUS.

Durante a audiência no Senado, Guedes reforçou a necessidade de doar para o SUS.

— Nós estamos 100% de acordo: usar a iniciativa privada, fazer as doações para o SUS, e realmente vacinar o trabalhador, porque o retorno seguro ao trabalho depende da vacinação em massa. E nossos empresários têm capacidade de ir lá fora e comprar sobras de vacinas — disse o ministro.