Governo prevê R$ 115 mi a mais para fiscalização ambiental e emprego da Força Nacional na Amazônia

RICARDO DELLA COLETTA E GUSTAVO URIBE
·3 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL,  16.09.2020 - O presidente Jair Bolsonaro, ao lado do vice presidente Hamilton Mourão, da primeira dama Michelle Bolsonaro, do presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP) durante solenidade de posse do ministro da Saúde Eduardo Pazuello, que estava como interino no cargo. No Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 16.09.2020 - O presidente Jair Bolsonaro, ao lado do vice presidente Hamilton Mourão, da primeira dama Michelle Bolsonaro, do presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP) durante solenidade de posse do ministro da Saúde Eduardo Pazuello, que estava como interino no cargo. No Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo Bolsonaro estima, segundo interlocutores, que o aumento de recursos para a fiscalização ambiental --anunciada nesta quinta (22) pelo presidente brasileiro na Cúpula do Clima-- ficará em torno de R$ 115 milhões. Os recursos devem ser utilizados, entre outras finalidades, para custear o emprego da Força Nacional nas ações de combate ao desmatamento --proposta criticada por ambientalistas.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou nesta quinta que a suplementação orçamentária será utilizada em parte para viabilizar as ações da Força Nacional. A corporação é formada por policiais militares dos estados e atualmente é comandada por Antônio Aginaldo de Oliveira, marido da deputada bolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP), que, por sua vez, preside a Comissão de Meio Ambiente da Câmara.

Em entrevista coletiva após a participação do presidente Jair Bolsonaro na Cúpula do Clima, Salles afirmou que ainda não era possível determinar qual o valor do aporte ao Orçamento atual.

"O que houver de disponibilidade o presidente vai dobrar o recurso. É importante porque dá sustentação a esse pagamento que eu me referi há pouco, às equipes da Força Nacional --que podem aumentar substancialmente--, e porque se somam ao que já têm de equipes e logística de Ibama, ICMBio e Polícia Federal", disse. "Contar com o apoio logístico das Forças Armadas na Amazônia é muito importante."

De acordo com Salles, para escalar o volume de equipes e batalhões ambientais com a Força Nacional "é preciso ter recursos adicionais, porque além das diárias e do pagamento pela logística, você tem custos bastante elevados de deslocamento". O recurso em parte é para suprir essa ação", complementou.

O ministro afirmou que ainda não é possível revelar valores devido às negociações entre Executivo e Congresso em torno do Orçamento. O Planalto tem até esta quinta-feira para publicar a sanção à lei orçamentária. As ações de fiscalização e prevenção a desmatamento e queimadas que constam no Orçamento de 2021 aprovado pelo Congresso somam R$ 152,4 milhões.

O emprego da Força Nacional para ações de fiscalização é criticado por ambientalistas. Para Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, o objetivo de Salles é "ter uma espécie de milícia oficial para comandar a fiscalização no Brasil". "O país já tem uma força de segurança ambiental chamada Ibama. Mas ele [Salles] não gosta do Ibama porque ele não consegue interferir", complementa.

A promessa de dobrar o dinheiro disponível para fiscalização do ambiente foi feita por Bolsonaro no evento internacional convocado pelo presidente dos EUA, Joe Biden. "Medidas de comando e controle são parte da resposta. Apesar das limitações orçamentárias do governo, determinei o fortalecimento dos órgãos ambientais, duplicando os recursos destinados às ações de fiscalização", disse ele.

O líder brasileiro fez também um apelo por recebimento de contribuições internacionais, na linha do que defende Salles. "Diante da magnitude dos obstáculos, inclusive financeiros, é fundamental poder contar com a contribuição de países, empresas, entidades e pessoas dispostos a atuar de maneira imediata, real e construtiva na solução desses problemas", discursou.