Governo revisa gastos com cartão corporativo classificados pelo GSI e não divulgados

Apesar de a Secretaria-Geral da Presidência ter divulgado os gastos com cartões corporativos da gestão de Jair Bolsonaro, a Secretaria de Comunicação Social da presidência (SECOM) afirmou ao GLOBO que dados que tenham sido classificados pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI) permanecerão sem publicação até o posicionamento do GSI.

Despesas de fora: Dados do cartão corporativo de Bolsonaro estão incompletos, revela Secom

Cartão corporativo: Bolsonaro gastou com pet shop, doces e decoração de festa

De acordo com a Secom, uma nova publicação sobre os registros de gastos será feita em breve pela Secretaria-Geral da Presidência da República (SGPR), uma vez que despesas com o cartão corporativo de Bolsonaro estão incompletos e não foram incluídas "na extração original".

A quantia gasta pelo cartão corporativo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) foi disponibilizada no site da Secretaria-Geral da Presidência da República após a queda do sigilo destes dados, diante do fim de seu mandato. O pedido pela divulgação das informações foi feito pela agência Fiquem Sabendo.

No total, foram gastos no cartão corporativo R$ 27 milhões ao longo dos últimos quatro anos. Valores inferiores do que consta como dados informados pelo Portal da Transparência, o que chegam a 75 milhões.

Ainda segundo a Secom, essas informações publicadas pela Secretaria-Geral da Presidência da República se referem exclusivamente à unidade gestora da Secretaria Especial de Administração da Presidência. Já o Portal da Transparência apresenta dados consolidados de outras unidades da Presidência, mas é possível filtrá-los para ver apenas essa unidade gestora.

O cartão corporativo é um meio de pagamento utilizado pelo governo federal que funciona de forma similar ao cartão de crédito, dentro de regras específicas. O governo utiliza o cartão para pagamentos de despesas próprias.