Governo de São Paulo recomenda fechamento de igrejas e templos para conter coronavírus

Elisa Martins

SÃO PAULO - O governo de São Paulo recomendou que igrejas e templos da capital paulista e região metropolitana evitem realizar missas, cultos e outras celebrações que incluam aglomerações a partir da próxima segunda-feira.

- Não significa o fechamento, apenas indica claramente a orientação para que não promovam mais presencialmente missas ou cultos - diz nesta quinta-feira o governador João Doria, que sugere que igrejas façam "virtualmente" ou por canais de televisão suas transmissões. - Será a partir de segunda-feira, para que tenham tempo de informar bispos, pastores e demais integrantes - afirma. Segundo o governador, a orientação é para que as igrejas e templos sigam abertas para orações de fiéis, porém de forma ordenada, limitada e obedecendo o mínimo de três metros de distância entre um e outro.

A iniciativa se aplicará por 60 dias, afirma Doria. O governador de São Paulo informou ainda que o estado vai suspender a cobrança da tarifa de água a 500 mil famílias que pagam a chamada "tarifa social", voltada a famílias de menor renda. Ela deixará de ser cobrada a partir de 1º de abril, por 90 dias. Também foram antecipadas as férias para 150 mil professores da rede estadual de ensino e 15 mil da rede Paula Souza.