Governo articula saída de Weintraub do Ministério da Educação

·2 min de leitura
Ministro da Educação participou de protesto antidemocrático no domingo (14), na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)
Ministro da Educação participou de protesto antidemocrático no domingo (14), na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)

A ala política do governo pressiona para que o presidente Jair Bolsonaro demita Abraham Weintraub do Ministério da Educação. Weintraub já foi chamado ao Palácio do Planalto nesta segunda-feira (15).

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

A saída dele faz parte de uma trégua que está sendo construída por interlocutores de Jair Bolsonaro com os demais poderes.

Leia também

A participação do ministro em um protesto onde reiterou ofensas ao Supremo Tribunal Federal (STF) consolidou a posição de que não dá para mantê-lo no governo. Sem máscara, Weintraub disse, no domingo (14), aos apoiadores que já tinha falado sua opinião sobre os “vagabundos”, em uma referência a sua declaração na reunião ministerial do dia 22 de abril, que tornou-se pública com a divulgação do vídeo pelo STF.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

A Medida Provisória que dava ao chefe da Educação o direito de escolher reitores de universidades federais durante a pandemia da Covid-19 também será usada como justificativa para a saída de Weintraub. O texto tinha o aval do presidente, mas já era esperado que a medida fosse mal recebida no Congresso, o que acabou colocando mais pressão sobre o ministro.

Interlocutores do STF já mandaram recado ao Palácio do Planalto de que o ideal seria que o titular da Educação seja demitido até a posse de Fabio Fabia no Ministério das Comunicações, marcada para quarta-feira (17).

Nos bastidores, assessores palacianos tentam chegar a um acordo com os filhos de Bolsonaro, apoiadores incondicionais de Weintraub. A solução seria remanejá-lo para outro cargo dentro do governo.

Dentro do governo, a avaliação é de que o ministro trabalha para viabilizar um projeto político próprio.

Weintraub é alvo no inquérito que apura fake news no STF e também manifestações antidemocráticas, além de ser investigado por declarações racistas em relação aos chineses.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos