Governo de SP cobra obediência de prefeitos a restrições e prevê 9 milhões de vacinados até março

ARTUR RODRIGUES
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governador João Doria (PSDB) falou sobre uma segunda onda de coronavírus no estado de São Paulo e no mundo, cobrou obediência de prefeitos a restrições sanitárias e apresentou cronograma para vacinação de 9 milhões de pessoas até o fim de março. As afirmações foram feitas nesta quarta-feira (6) durante encontro virtual do governador com os com os 645 prefeitos eleitos para o mandato 2021-2024. De acordo com o secretário de Saúde, Jean Gorinchteyn, está mantido o cronograma para vacinar 9 milhões de pessoas entre os dias 25 de janeiro e 28 de março. Nessa primeira fase serão vacinadas pessoas a partir de 60 anos, indígenas, quilombolas e trabalhadores da saúde. Nas falas de Doria, houve cobranças de obediência às determinações de restrições, como fechamentos de comércios. "Alguns poucos prefeitos e prefeitas não agiram como deveriam. Foram poucos, mas nós esperamos que essas exceções não mais aconteçam", disse Doria. O governador afirmou que o ano será difícil, uma vez que o estado vive uma segunda onda, assim como o país e muitos outros países do mundo. O secretário não apresentou os dados finais da vacina e citou números divulgados anteriomente, como a capacidade da vacina de produzir resposta imune em 97% dos casos, conforme publicação científica. Após desobediência de prefeitos às regras do Plano SP, houve cobrança e ameaça de punições a quem descumprir as determinações do comitê de saúde. "Vamos priorizar aqueles que seguem o Plano São Paulo. Aqueles que forem irresponsável irão para o fim da fila nos atendimentos", disse Marco Vinholi, secretário de Desenvolvimento Regional.