Governo de SP decreta fechamento total de serviços não essenciais por 15 dias

ARTUR RODRIGUES E JOÃO GABRIEL

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou neste sábado (21) estado de quarentena por 15 dias como medida de combate à pandemia de coronavírus, começando na próxima terça-feira (24).

Segundo ele, a medida implica no fechamento de todo o comércio e serviços não essenciais. Podem seguir funcionando serviços de saúde, segurança, supermercados e limpeza, por exemplo.

"Nenhuma medida aqui anunciada é restritiva ao trabalho das indústrias. A indústria não tem atendimento público", disse Doria. O tucano afirmou que o ramo é fundamental para o atendimento no país. Construção civil, telemarketing e bancos podem operar seguindo este mesmo princípio.

O número de mortes pelo coronavírus no estado de São Paulo subiu para 15, 6 a mais que no último balanço.

O anúncio também ilustra uma mudança na linha de atuação do governo, que antes trabalhava com recomendações, e agora passa a tratar o fechamento de estabelecimentos e o isolamento como obrigatório. "Saímos do campo da recomendação para determinação", disse.

Segundo o governador, padarias, bares e café podem seguir funcionando para "venda de gêneros e produtos" e de "alimentação preparada", mas não especificou como será tal dinâmica.

Na capital, a prefeitura já tem feito fiscalização de comércios, inclusive com a polícia.

"Manifestação de repúdio iniciativa de festas em comunidades. Vamos adotar medidas policiais

para aglomerações, festas funks", acrescentou Doria nesta sexta. Ele ainda chamou quem organiza as festas de promotores do mal.