Governo de SP multa MBL, Ciro, Amoêdo e outros por não usarem máscaras em ato na Paulista

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 12.09.2021 - Ciro Gomes (PDT) durante protesto pedindo o impeachment do presidente Jair Bolsoanro, na avenida Paulista. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 12.09.2021 - Ciro Gomes (PDT) durante protesto pedindo o impeachment do presidente Jair Bolsoanro, na avenida Paulista. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governo de São Paulo multou membros do MBL, Ciro Gomes (PDT), João Amoêdo (Novo) e outras autoridades que participaram de manifestação na avenida Paulista neste domingo (12) pelo impeachment de Jair Bolsonaro.

Eles foram autuados por contrariarem lei que determina o uso de máscaras para evitar a disseminação da Covid-19 durante a pandemia no Brasil.

O ato contou com a presença do governador João Doria (PSDB), que apareceu de máscara. Organizada inicialmente por movimentos da direita não bolsonarista, como MBL e Vem Pra Rua, a manifestação contou com apoio de grupos e políticos da centro-esquerda e da esquerda após as falas golpistas de Bolsonaro por ocasião do 7 de Setembro.

Dez autoridades foram multadas: Ciro, Amoêdo, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), o vice-presidente da Câmara Marcelo Ramos (PL), os deputados Joice Hasselmann (PSL) e Júnior Bozzella (PSL), o coordenador do MBL Renan Santos e os deputados estaduais Arthur do Val (Patriota), Heni Ozi Cukier (Novo) e Isa Penna (PSOL).

Nesta segunda-feira (13), bolsonaristas publicaram mensagens questionando se o governo do estado também multaria os participantes do atos deste domingo, já que autuou o presidente e seus apoiadores por não cumprirem mediads de controle da pandemia no 7 de Setembro.

O deputado estadual Frederico D'Ávila (PSL-SP), por exemplo, disse que apuraria por meio de requerimento à informação se Amoêdo, Ciro e Renan Santos haviam sido multados assim como ele, que foi autuado por sua participação no 7 de Setembro bolsonarista.

"O uso de máscaras em locais públicos para prevenção da COVID-19 é obrigatório por meio da Resolução estadual SS 96 que prevê multas de R$ 552,71 por pessoa física. Como ocorre com toda autuação, os interessados podem apresentar recurso. O auto de infração será encaminhado para todos via Correios e descreve as normas previstas na legislação", diz nota do Centro de Vigilância Sanitária ao Painel.

"Todos os cidadãos, incluindo figuras públicas e políticas, devem zelar pela proteção individual e coletiva. A manutenção das medidas preventivas já conhecidas e preconizadas pelas autoridades sanitárias nacionais e internacionais, que incluem o uso de máscara, seguem cruciais para prevenção contra COVID-19", completa.

Após sua participação nos atos de 7 de Setembro, Bolsonaro recebeu sua sétima autuação por descumprir medidas sanitárias de contenção da pandemia em São Paulo. A administração estadual calcula que a multa pode chegar a R$ 1,5 milhão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos