Deputados protestam na Defensoria Pública venezuelana por "golpe de Estado"

Caracas, 7 abr (EFE).- Uma dezena de deputados de oposição ao governo de Nicolás Maduro na Venezuela protestou nesta sexta-feira na Defensoria Pública em Caracas para exigir um pronunciamento do titular desse órgão, Tareq William Saab, diante do que consideram um "golpe de Estado" por parte do Tribunal Superior de Justiça (TSJ).

Os legisladores, de vários dos partidos que integram a aliança Mesa da Unidade Democrática (MUD), chegaram à Defensoria no início da manhã, depois que milhares de pessoas tentaram chegar nesse mesmo local na quinta-feira e foram dispersadas pela polícia com jatos d'água e gás lacrimogêneo.

O chefe da bancada opositora que controla a Assembleia Nacional (AN, parlamento), Stalin González, liderou o protesto no qual os deputados exibiram na fachada da Defensoria uma fita com o texto "Não passe" com o objetivo de fazer um "fechamento simbólico" do lugar.

Os opositores exigem que Saab aprove um processo iniciado esta semana na Câmara com o qual pretendem remover os sete juízes da Sala Constitucional do TSJ que assinaram na semana passada duas sentenças, já anuladas, que retiravam as atribuições do Legislativo e limitavam a imunidade parlamentar.

No entanto, Saab disse ontem que o Poder Cidadão "declarou a improcedência" do processo contra os juízes por considerar que é "desnecessário emitir pronunciamento", pois as decisões do TSJ já tinham sido "esclarecidas de ofício".

Por isso, González disse hoje que Saab não defende o povo, mas ao governo de Maduro e o TSJ.

A Constituição venezuelana estipula que para que o parlamento possa iniciar o processo de destituição dos magistrados do TSJ, o Poder Cidadão deve considerar previamente que os juízes cometeram falta grave.

O Poder Cidadão é uma instituição integrada pelo Ministério Público, pala Controladoria e pela Defensoria Pública. EFE