Governo tenta reagir a pressão internacional e recicla pacote contra desmatamento

·4 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 12.08.2021 - Ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (Casa Civil). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 12.08.2021 - Ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (Casa Civil). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Diante da pressão internacional contra a agenda ambiental do presidente Jair Bolsonaro, os ministros Ciro Nogueira (Casa Civil) e Joaquim Álvaro Pereira Leite (Meio Ambiente) tentaram rebater as críticas contra o governo com uma breve apresentação de ações de combate a queimadas e ao desmatamento ilegal na Amazônia.

Apesar das diversas declarações antiambientais de Bolsonaro e do histórico de avanço do desmatamento, Ciro disse, nesta terça-feira (31), que a questão do meio ambiente é a "prioridade número um" desde sua chegada ao Planalto.

Ciro e Leite estavam acompanhados do ministro da Justiça, Anderson Torres. A proposta era anunciar "novo plano de atuação do governo federal no combate às queimadas", mas a maioria das medidas já havia sido divulgada em ocasiões anteriores. Não foram permitidas perguntas dos jornalistas.

Em sua fala, Ciro afirmou acreditar numa "recuperação de imagem bastante expressiva a nível mundial".

"Principalmente num momento em que precisamos ter uma imagem muito positiva do nosso país, essas ações que serão implementadas irão contribuir muito para que a gente possa aumentar ainda mais a tendência de queda dos nossos índices de desmatamento e de queimadas", declarou.

O esforço dos ministros de rebater a imagem amplamente difundida de um governo descompromissado com a agenda de preservação ocorre um dia depois de Bolsonaro ter apontado uma "obsessão" do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, com a agenda do meio ambiente.

Segundo disse Bolsonaro, essa "quase obsessão" de Biden pelo tema "atrapalha um pouquinho" o governo brasileiro.

As declarações dos ministros também ocorreram no dia seguinte à divulgação, por entidades ligadas ao agronegócio, de um manifesto defendendo as instituições e o equilíbrio entre os Poderes --num recado crítico a Bolsonaro.

"Somos uma das maiores economias do planeta, um dos países mais importantes do mundo, sob qualquer aspecto, e não nos podemos apresentar à comunidade das Nações como uma sociedade permanentemente tensionada em crises intermináveis ou em risco de retrocessos e rupturas institucionais. O Brasil é muito maior e melhor do que a imagem que temos projetado ao mundo. Isso está nos custando caro e levará tempo para reverter", diz o manifesto.

No texto, as entidades também afirmam que a agroindústria brasileira "tem história de sucesso reconhecida mundo afora, como resultado da inovação e da sustentabilidade que nos tornaram potência agroambiental global".

As principais ações listadas pelo ministro do Meio Ambiente já eram conhecidas. Leite citou a disponibilização de 6.000 brigadistas para o combate ao desmatamento, a contratação de 700 novos servidores para fiscalização do Ibama e do ICMBio e a entrega do primeiro de 15 caminhões-bombeiros.

A contratação dos novos servidores, por exemplo, já havia sido anunciada pelo vice-presidente Hamilton Mourão em reunião do Conselho da Amazônia Legal na semana passada. O próprio Meio Ambiente comunicou, no último dia 18, a entrega do caminhão-bombeiro.

Em julho, o Ministério da Justiça anunciou a Operação Guardiões do Bioma, que conta com o apoio de mais 6.000 brigadistas. Segundo Leite disse nesta tarde, há hoje 3.200 homens em campo.

"Vamos atuar de forma contundente conforme orientação do presidente Bolsonaro pra zerar o desmatamento ilegal anterior a 2030. O compromisso [assumido por Bolsonaro] era até 2030 perante o Acordo do Clima, mas o nosso é o máximo de esforços para atuar no combate ao desmatamento ilegal", disse Leite.

Ele também destacou que dados de medição do desmatamento de julho e agosto indicam tendência de redução em relação aos mesmos meses do ano passado.

"O mês passado, em julho, tivemos uma queda em relação aos dados Deter [sistema do Inpe], do ano passado para este, de 10%. E no mês de agosto, previamente, estamos com um número de aproximadamente 30% de redução em relação ao ano passado."

Apesar disso, o Brasil liderou em 2020 o ranking mundial de desmatamento, de acordo com relatório divulgado pelo World Resources Institute.

O país concentrou mais de um terço da superfície de florestas virgens devastadas no planeta, cerca de 1,7 milhão de hectares, segundo o documento Global Forest Watch.

Em relação à Amazônia, o desmatamento cresceu cerca de 9,5% de agosto de 2019 a julho de 2020 em comparação com o período anterior. No total, foram derrubados 11.088 km² de floresta nesse intervalo de tempo. Os dados consolidados do ano são os primeiros sob responsabilidade do governo Bolsonaro.

Mourão, que coordena o Conselho da Amazônia e vinha centralizando o combate às queimadas, não esteve no anúncio do plano. Foi mencionado rapidamente pelos ministros da Casa Civil e do Meio Ambiente.

No último dia 24, o vice-presidente anunciou que as ações das Forças Armadas para a preservação ambiental na Amazônia seriam estendidas por 45 dias -segunda semana de outubro.

A ação de GLO (Garantia da Lei e da Ordem) que permite a presença dos militares na região se encerraria no fim de agosto.

Considerada a principal aposta do governo para o combate ao desmatamento até aqui, a GLO não foi mencionada nas falas dos três ministros nesta tarde.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos