Governo troca comando da EBC após 'incômodo' com cobertura de atos terroristas

O incômodo do governo com o tom da cobertura da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) para os atos terroristas de invasão dos prédios dos Três Poderes no último domingo acelerou o processo de substituição da diretoria da estatal. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) destituiu na sexta-feira a diretoria da empresa e nomeou uma nova presidente interina. Interlocutores dizem que o objetivo do ministro da Secretaria de Comunicação (Secom), Paulo Pimenta, é ter a diretoria definitiva composta em até 30 dias.

8 de janeiro: Justiça determina que governo do DF divulgue lista de bolsonaristas radicais liberados após audiência de custódia

Apontado pela polícia como um dos líderes de atos antidemocráticos: vereador do PDT deve ser expulso do partido

A jornalista Kariane Costa, que é funcionária de carreira da EBC e é a indicado dos empregados no Conselho de Administração da empresa, vai conduzir o processo de transição para nova gestão. Repórter de política da empresa, a jornalista sofreu com perseguições ao longo do governo de Jair Bolsonaro após denunciar casos de assédio moral.

Fontes ouvidas pelo GLOBO destacam que essas perseguições sofridas pela jornalista e a ligação dela com o sindicalismo passam uma mensagem importante para a troca de comando na estatal, já que a diretoria que estava comandando a empresa havia sido indicada por Bolsonaro. Além da guinada na orientação da EBC, a nomeação de Kariane vence um empecilho burocrático: como já é do conselho de administração ela pode assumir a função prontamente.

A diretoria antiga explica, em partes, o incômodo gerado no governo por causa da cobertura dos atos terroristas do último domingo, considerada "chapa cinza", por minimizar a gravidade dos ataques contra os Poderes. Um exemplo foi o uso do termo "manifestantes" para se referir ao grupo que invadiu a depredou o Congresso, o Planalto e o Supremo Tribunal Federal (STF).

Investigado por incitar atos golpistas: Bolsonaro fez um ataque grave à democracia a cada 23 dias

Os exonerados na última sexta-feira o diretor-presidente da EBC, Glen Lopes Valente; o diretor-geral, Roni Baksys Pinto; a diretora de Jornalismo, Sirlei Batista; o diretor de Administração, Finanças e Pessoas, Márcio Kazuaki Fusissava; e o diretor de Operações, Engenharia e Tecnologia, Pedro Marcos Boszczovski.

Mais mudanças na EBC

Responsável por veículos como TV Brasil e Agência Brasil, a estatal passará por reformulações, visando alterar práticas e diretrizes adotadas durante o governo Jair Bolsonaro. Segundo interlocutores, o ministro Paulo Pimenta ainda está conversando com nomes para ocupar as vagas na diretoria.

Quando comunicou as mudanças do governo, Pimenta afirmou que o Executivo iria privilegiar a colaboração de servidores e integrantes da sociedade civil.

— A composição do processo de transição, reunindo empregados concursados da empresa, mas também representantes da sociedade e profissionais da área, mostra nosso compromisso com a comunicação pública e com a integridade e o fortalecimento da EBC — disse Pimenta.

Nas redes sociais, Kariane Costa comemorou a indicação para a função. "Aceitei o convite do presidente Lula e do Ministro Paulo Pimenta para estar a frente, de forma interina, do processo de transição para a retomada da missão da EBC. Agradeço a confiança! Juntos vamos reconstruir nossa empresa!", escreveu a jornalista.