Governo Trump critica republicanos conservadores e acena a democratas

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No mesmo dia em que o presidente Donald Trump culpou a ala ultraconservadora de seu partido pelo recuo na votação de sua reforma da saúde, auxiliares do republicano sinalizaram um esforço para trabalhar com moderados do partido democrata.

No Twitter, o presidente escreveu neste domingo (26) que os democratas estavam "sorrindo" porque o "Caucus da Liberdade", bancada de deputados à direita do partido Republicano, havia, com a ajuda de outros dois grupos igualmente conservadores, salvado o Obamacare e a Planned Parenthood, organização pró-aborto e de assistência a mulheres.

Pela chamada Lei de Saúde Americana, redigida pelo presidente da Câmara, Paul Ryan, a ONG deixaria de receber fundos federais por ao menos um ano.

O "Caucus da Liberdade" reúne mais de 30 líderes republicanos de ultra-direita. O grupo foi um dos responsáveis por fazer a Casa Branca desistir de colocar em votação o projeto republicano que substituiria o "Obamacare", no maior fiasco político do governo Trump.

O caucus, espécie de bancada mais formal no Congresso, recebeu concessões do presidente, como mudanças que retiraram do texto a obrigatoriedade de que planos de saúde oferecessem benefícios essenciais. Grande parte dos membros do grupo, porém, considerou pouco e queria menos regulação federal sobre os planos.

O chefe de gabinete de Trump, Reince Priebus, disse que Trump se sentiu "desapontado" por não ter o apoio de pessoas que ele pensava ser leais e que era hora de o partido se unir.

Em entrevista ao "Fox News Sunday", ofereceu a possibilidade de trabalhar com democratas moderados e republicanos para passar outros aspectos da agenda de Trump, tais como o orçamento proposto, a reforma do código tributário e um esforço renovado na reforma do sistema de saúde.

"Se pudermos chegar a um projeto de lei que atinja os objetivos do presidente apenas com os republicanos, seguiremos adiante com ele", disse Priebus. Mas acrescentou: "Acho que é mais ou menos um aviso de que estamos dispostos a conversar com qualquer um. Sempre estivemos e, acredito, agora mais do que nunca".

Líder da minoria no Senado, Charles Schumer, disse que os democratas estão prontos para trabalhar com Trump para melhorar o Obamacare se o presidente desistir de derrubar a lei que criou o plano.