Governo usou Fiocruz para produzir cloroquina com recursos emergenciais, diz jornal

·1 minuto de leitura
(Foto: Getty Images)
(Foto: Getty Images)

O Ministério da Saúde usou a Fundação Oswaldo Cruz para a produção de 4 milhões de comprimidos de cloroquina com recursos públicos destinados ao combate à Covid-19. As informações são da Folha de S.Paulo.

Segundo o jornal, entre o final de junho e início de outubro, a Fiocruz produziu cloroquina e o Tamiflu com destino a pacientes infectados pela doença. Nenhum dos dois medicamentos têm eficácia comprovada contra o novo coronavírus.

O dinheiro que financiou essa produção partiu de Medida Provisória editada em 2 de abril pelo presidente Jair Bolsonaro. A medida abriu um crédito extraordinário para a Saúde no valor de R$ 9,4 bilhões.

Para a Fiocruz, vinculada ao Ministério da Saúde, foram destinados R$ 457,3 milhões para "enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus".

Em dois documentos enviados pelo governo ao Ministério Público Federal são apontados gastos de R$ 70,4 milhões, da MP, para a produção de cloroquina e Tamiflu pela Fiocruz.

Segundo a Fiocruz, a produção de cloroquina e Tamiflu não impactou ações para pesquisas e desenvolvimento de imunizantes.

A Fiocruz é responsável pela importação e produção da vacina desenvolvida pela AstraZeneca e Universidade de Oxford. A Fundação também desenvolve pesquisas para a criação de uma vacina nacional.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos