Governo vai comprar vacina que for aprovada por Saúde e Anvisa, diz Bolsonaro

Por Ricardo Brito
·1 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que o governo federal vai comprar e oferecer para a população qualquer vacina contra a Covid-19 que passar pelo aval do Ministério da Saúde e for certificada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas repetiu que essa imunização não será obrigatória para a população.

"Passando pela (Ministério da) Saúde e sendo certificado pela Anvisa, o governo federal vai comprar a vacina e vai disponibilizar, mas não vai ser obrigatória de jeito nenhum", disse ele, em transmissão pelas redes sociais, no Palácio da Alvorada.

A fala do presidente ocorre no dia em que duas gigantes farmacêuticas --a norte-americana Pfizer e a alemã BioNTech-- anunciaram que a vacina que desenvolvem possui pelo menos 90% de eficácia, segundo dados das empresas não revisados de forma independente.

O Brasil, entretanto, não tem acordo até o momento para adquirir a vacina Pfizer/BioNTech, uma vez que o governo federal apostou suas fichas no imunizante em desenvolvimento pelo laboratório AstraZeneca com a Universidade de Oxford.

Separadamente, o governo de São Paulo, por meio do Instituto Butantan, firmou acordo com o laboratório chinês Sinovac. No entanto, como o acordo foi feito com o governador de São Paulo, João Doria --seu inimigo político-- Bolsonaro desautorizou um acordo inicial entre o Ministério da Saúde e o Butantan para compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa antes da aprovação pela Anvisa.

O governo brasileiro também participa do sistema Covax Facilities, da Organização Mundial de Saúde (OMS), para compra de outro imunizante que porventura seja aprovado internacionalmente.