'O governo vai tomar um cacete'; veja essa e outras frases do dia

Gabriela Korossy/Câmara dos Deputados

“O governo vai tomar um cacete e pedir desculpas, senão trava de vez a Previdência” - Major Olímpio

O líder do partido do presidente Jair Bolsonaro no Senado, Major Olímpio (PSL-SP), deu a declaração após analisar a proposta do governo de corrigir o salário mínimo apenas pela inflação em 2020. Parlamentares consideram que a proposta do governo, que encerra a política que permitia ganhos reais aos trabalhadores, não deve ser aprovada pelo Congresso e piora o clima para a apreciação da reforma da Previdência. A política de aumento real do salário mínimo foi implementada no governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e transformada em lei por Dilma Rousseff (PT). A regra, entretanto, teve validade encerrada em janeiro deste ano.

“Nos ajude a achar esses covardes. Só preciso que devolvam as perucas e o leite para as crianças” - Lena Souza, fundadora do Instituto Sawanna Por Todos

Bandidos invadiram a sede do instituto, em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, e roubaram doces, perucas e o lote especial de leite, que seriam doados para crianças com câncer no próximo feriado de Páscoa. Embora celulares, notebooks e televisões tenham sido levados, Lena Souza apelou para que os criminosos devolvam as doações. Ela criou o instituto após perder a filha, Sawanna, em 2016, vítima de leucemia, aos 7 anos.

"(...) Concordamos em conjunto que o museu não é o local ideal para o jantar de gala da Câmara de Comércio Brasil-EUA" - informe do Museu Americano de História Natural de Nova York, cancelando cerimônia em homenagem a Bolsonaro

O Museu Americano de História Natural de Nova York informou nesta segunda-feira (15) que não sediará a cerimônia de premiação do presidente Jair Bolsonaro como "Pessoa do Ano". Todos os anos, a Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos escolhe duas personalidades, uma americana - cujo nome ainda não foi divulgado - e uma brasileira, e as homenageia. Na sexta-feira (12), o prefeito de Nova York, o democrata Bill de Blasio, pediu ao museu que não recebesse Bolsonaro e criticou o que considera ser posições homofóbicas e racistas do presidente, além de seu discurso sobre a Amazônia. Hoje, após o anúncio do cancelamento, o político americano comemorou a decisão no Twitter. A Câmara de Comércio Brasil-EUA diz que a escolha de Bolsonaro como pessoa do ano é um "reconhecimento de sua intenção fortemente declarada de fomentar laços comerciais e diplomáticos mais próximos entre Brasil e Estados Unidos e seu firme comprometimento em construir uma parceria forte e duradoura entre as duas nações."

'2019 já é um ano perdido para a economia' - Mendonça de Barros, economista

Economista e fundador da MB Associados, José Roberto Mendonça de Barros afirmou que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano “está perdido”. Para ele, o mercado de trabalho não deve melhorar e as empresas vão continuar tendo dificuldades com isso. No entanto, o economista avalia que se uma reforma da Previdência “razoável” for aprovada ainda este ano, o País pode ter um crescimento na casa dos 3% em 2020.

"É melhor do que nada, mas é esmola. Trinta mil reais não dá para 15 pneus. O caminhoneiro precisava de uma linha de crédito de R$ 200 mil" - Ariovaldo Junior Almeida, diretor do Sindicato dos Caminhoneiros de Ourinhos

O governo federal anunciou nesta terça-feira (16) uma linha de crédito de R$ 500 milhões para os caminhoneiros, disponibilizada via BNDES. De acordo com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o crédito servirá para que os profissionais possam comprar pneus e realizar a manutenção de seus veículos - cada caminhoneiro terá acesso a um financiamento de até R$ 30 mil. A medida tem como objetivo acalmar a categoria e conter ameaças de greve diante da alta do preço do diesel, mas parece não ter surtido efeito. Motoristas de caminhão que participaram da paralisação no ano passado afirmaram que as principais reivindicações não foram contempladas no anúncio.