GP do Brasil de Fórmula 1 terá a terceira Sprint Race do ano, entenda

Assim como Silverstone, na Inglaterra, e Monza, na Itália, Interlagos, em São Paulo, terá neste sábado a terceira edição da Sprint Race deste ano, uma corrida mais curta com os pilotos de Fórmula 1, que define o grid de largada do Grande Prêmio de São Paulo deste domingo. A tradição brasileira de realizar grandes prêmios - o país recebe a competição há meio século - definiu a escolha do Brasil como palco da Sprint Race este ano, assim como em 2021.

No treino de qualificação da tarde desta sexta feira, que aconteceu debaixo chuva, os pilotos saíram para a pista e realizaram a tomada de tempos tradicionais de Q1, Q2 e Q3. A surpresa ao final foi a pole position do piloto dinamarquês, Kevin Magnussen, da equipe Hass, com o tempo de 1m11s674 (veja as 10 primeiras posições do grid ao final do texto).

Magnussen venceu a terceira sessão de treino, que foi interrompida, depois que George Russell, da Mercedes, acabou indo parar na brita. O dinamarquês não sabia que estava na pole position. A pole de Magnussen é inédita tanto para o piloto quanto para a equipe Haas.

– Não sei o que dizer. É incrível, Obrigado ao time Haas, que me colocou na pista no momento certo. É bom fazer essa pole position inacreditável. Vai ser divertido – disse Magnussen, de 30 anos, em entrevista após o treino.

Na segunda posição, ficou Max Vestappen, da Red Bull, e no terceiro lugar sai George Russell.

Novas regras

A Sprint bonifica os três primeiros pilotos com, respectivamente, três, dois e um ponto. Chamada de corrida de classificação, ela mudou a maneira de formação do grid de largada. É uma corrida mais curta, de cem quilômetros de distância (24 voltas no caso de Interlagos), que estabelece a posição dos pilotos na prova oficial. As equipes ficam livres para escolher o tipo de pneu que preferirem, o que torna a competição ainda mais acirrada – e imprevisível, segundo os organizadores.

Por isso, alguns pilotos já disseram que não gostam da Sprint Race. Recentemente, Verstappen admitiu que não achava interessante esse formato de clasificação. Já Lewis Hamilton, da Mercedes, avaliou que a disputa é saudável, desde que seja interessante ao público. A questão é que a Sprint Race aumenta os gastos dos times.

No início da tarde, no primeiro treino livre da 21ª prova da temporada, o mexicano Sergio Pérez, da Red Bull, foi o piloto mais rápido. Ele fez sua melhor volta com o tempo de 1m11s853. Charles Leclerc, da Ferrari, ficou em segundo com uma diferença de apenas 0s004 de Pérez. Max Verstappen, o campeão antecipado da temporada de 2022, da Red Bull, veio em terceiro. O treino aconteceu sob sol e temperatura de 26 graus.

Na primeira sessão de treinos a Ferrari e a Red Bull se alternaram entre os quatro primeiros colocados. Hamilton, da Mercedes, apareceu em seguida, mas cometeu um erro na curva 8 e travou os pneus. Em sua segunda tentativa, o piloto inglês se saiu melhor e ficou com o quarto lugar.

Ao completar 50 anos de Fórmula 1 no Brasil, o Grande Prêmio de São Paulo deverá bater recorde de público até domingo. Nestes três dias de evento, são esperadas 230 mil pessoas, frente aos 181.711 presentes do ano passado.

Foram criadas novas áreas de público, com estruturas temporárias, para alcançar a nova marca histórica. Na tarde desta sexta, boa parte dos lugares já estava tomada pelo público. Cinco modalidades de ingresso foram vendidas, por valores que variam de R$ 710 a R$ 13,6 mil. Serão 71 voltas em Interlagos, circuito que tem 4.309 km e 15 curvas.

Grid da Sprint Race

1. Kevin MAGNUSSEN (Haas) 2. Max VERSTAPPEN (Red Bull Racing) 3. George RUSSELL (Mercedes) 4. Lando NORRIS (McLaren) 5. Carlos SAINZ (Ferrari) 6. Esteban OCON (Alpine) 7. Fernando ALONSO (Alpine) 8. Lewis HAMILTON (Mercedes) 9. Sérgio PEREZ (Red Bull) 10. Charles LECLERC (Ferrari)