Grávidas que já tomaram AstraZeneca devem receber segunda dose só 45 dias após parto

·2 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** SUZANO, SP, 10.04.2021: Grávidas que já tomaram AstraZeneca devem receber segunda dose só 45 dias após parto. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SUZANO, SP, 10.04.2021: Grávidas que já tomaram AstraZeneca devem receber segunda dose só 45 dias após parto. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Gestantes que tomaram a primeira dose da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19 devem aguardar até o fim da gestação e do puerpério (ou seja, até 45 dias após o parto) pra completar o esquema vacinal com a segunda dose.

A orientação consta de nota técnica divulgada nesta quarta-feira (19) pelo Ministério da Saúde.

A medida ocorre após Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) orientar a suspensão temporária da aplicação da vacina da AstraZeneca em gestantes e puérperas no país.

A orientação da agência foi tomada após a morte de uma gestante do Rio de Janeiro que havia tomado a vacina e teve caso suspeito de síndrome de trombose com trombocitopenia, extremamente raro, e cuja relação com a vacina é investigada.

Com a suspensão, a vacinação de gestantes que ainda não tinham recebido as doses passou a ocorrer no país com o uso de imunizantes da Pfizer e do Butantan. Também ficou restrita a gestantes com doenças preexistentes.

Havia dúvidas, porém, sobre qual seria a orientação da Saúde para as gestantes que já haviam recebido a primeira dose da AstraZeneca.

Segundo o ministério, até o dia 10 de maio, mais de 15 mil grávidas foram vacinadas com esse imunizante da AstraZeneca no Brasil. Não há informações sobre outros casos de eventos adversos.

Em nota, porém, a pasta orienta que gestantes e puérperas que já receberam a vacina da AstraZeneca procurem atendimento médico imediato se apresentarem, nos 4 a 28 dias seguintes à vacinação, algum efeito colateral.

Entre eles estão falta de ar, dor no peito, inchaço nas pernas, dor abdominal persistente, sintomas neurológicos, como dor de cabeça persistente e de forte intensidade, borrada, dificuldade na fala ou sonolência; ou pequenas manchas avermelhadas na pele além do local em que foi aplicada a vacina.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos