Grécia tem greve e protestos em meio a indignação por acidente de trem

Manifestantes participam de protesto em Atenas após acidente de trem próximo à cidade de Larissa, na Grécia

Por Karolina Tagaris e Lefteris Papadimas

LARISSA, Grécia (Reuters) - Trabalhadores ferroviários gregos estenderam sua greve pelo segundo dia nesta sexta-feira, e mais atos de protesto foram planejados, em meio à indignação por um devastador acidente de trem que matou pelo menos 57 pessoas, entre elas muitos estudantes universitários.

Vagões foram jogados para fora dos trilhos, esmagados e envolvidos por chamas quando um trem de passageiros de alta velocidade com mais de 350 pessoas a bordo colidiu de frente com um trem de carga na noite de terça-feira.

"A federação vem soando o alarme há tantos anos, mas nunca foi levada a sério", disse o principal sindicato dos ferroviários, exigindo uma reunião com o novo ministro dos Transportes, nomeado após o acidente com objetivo de garantir que tal tragédia nunca mais aconteça.

O sindicato disse que deseja um cronograma claro para a implementação dos protocolos de segurança. As perguntas sobre o acidente --que aconteceu quando os dois trens estavam na mesma linha-- envolvem problemas de sinalização e manutenção.

Os trabalhos foram retomados no local do acidente, onde equipes de resgate usaram guindastes para levantar alguns dos vagões que foram jogados para fora dos trilhos.

"A operação está em andamento, estava planejada para terminar hoje, esperamos que termine hoje, mas sempre há o fator desconhecido", disse um oficial do corpo de bombeiros.

Não estava claro se ainda havia desaparecidos, ou quantos.

Em meio ao choque e tristeza em um país onde três dias de luto nacional foram declarados, familiares e amigos disseram que queriam respostas sobre como esse acidente pode ter acontecido.

Na quinta-feira, em frente a um hospital de Larissa, para onde foram trazidas muitas das vítimas, uma mulher chamada Katerina, cujo irmão estava desaparecido, gritou: "Assassinos! Assassinos! Eu partirei amanhã com um caixão!"