Grande amor de Nicette Bruno, Paulo Goulart mandava bilhetes de amor no início do namoro

Marcelle Carvalho
·2 minuto de leitura

Um amor como poucos. É o que Nicette Bruno deixou claro ao contar sobre a forma que conheceu Paulo Goulart, seu marido por 62 anos, e que morreu há seis. "Nós nos conhecemos no teatro. Como sempre o teatro fez parte da nossa vida. Eu só comecei a olhar para ele com algum interesse para um namoro depois da estreia.

Porque Abelardo Figueiredo, e que secretariava a companhia, disse: 'Olha Nicette, vai ter namoro na companhia'. E eu digo: 'É mesmo? De quem?'. Da mocinha com o galã. Sim, o Paulo tá apaixonado por você. E aí eu comecei a olhar pra ele com outros olhos, prestado atenção e gostei", contou a atriz, de 87 anos, em entrevista ao "Fantástico", na época da morte do marido.

Em 1954, dois anos depois de começarem a namorar, Nicette e Paulo se casaram. Ao mesmo tempo em que a carreira do casal se consolidava na TV, a história de amor ganhava novos capítulos com o nascimento dos filhos Bárbara Bruno, Beth Goulart e Paulo Goulart Filho. "Foi uma grande paixão no início, que foi transformando num grande amor que nos uniu a vida inteira. Então, ele dizia pra mim: 'tô te namorando".

A atriz, que morreu neste domingo, (20), devido a complicações da Covid-19 e estava internada no Hospital São José, no Humaitá, ainda contou o quanto Paulo era cavalheiro. "Muito, meu Deus, com todos. Comigo em especial. Ele fazia as coisas, assim, que eu não esperava. Ele, às vezes, chegava com uma flor, deixava bilhetinhos para mim. Ele era um homem muito especial, mesmo. Porque ele estava sempre com uma palavra amiga, ele estava sempre com uma lição a transmitir. Eu agradeço muito, porque acho que foi um grande presente de Deus ter encontrado esse homem na minha vida", avaliou, emocionada.