Grande volume de chuvas provoca estragos e alagamentos em Santa Catarina

·2 minuto de leitura

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - Um grande volume de chuvas na madrugada desta quarta-feira (9) provocou estragos em diversas cidades da região litorânea de Santa Catarina. O alerta continua na área durante todo o dia, com previsões de pancadas de chuva forte e risco de deslizamentos e alagamentos.

A média de precipitação nos 20 municípios mais atingidos, da Grande Florianópolis, Vale do Itajaí e Litoral Norte, chegou a quase 128 mm nas últimas 24 horas, segundo boletim divulgado pela manhã.

O pequeno município de Canelinha, de cerca de 12 mil habitantes, foi um dos mais atingidos. Nas últimas 24 horas, a cidade registrou quase 300 mm de chuva. Os alagamentos impedem o acesso a localidades e as aulas foram suspensas pela prefeitura.

Na cidade, 146 pessoas estão desabrigadas ou desalojadas e foram acolhidas em uma escola, segundo a Defesa Civil.

Em Florianópolis, onde caiu mais de 100 mm de chuva, as vias de acesso às regiões norte e sul foram bloqueadas por conta de alagamentos. A SC-405 chegou a ser interditada por algumas horas, mas, mesmo depois de reaberta, por volta das 10h, alguns trechos continuavam cobertos de água.

Em Tubarão, nas últimas 12 horas, o acumulado chegou a 160 mm. Houve um deslizamento na Estrada Geral do Rio do Pouso e enxurrada passando por cima da ponte. Cerca de 8.600 famílias continuam sem luz, segundo a Celesc (Centrais Elétricas de Santa Catarina).

Outras 1.500 casas também estão sem energia elétrica em Itajaí. Em todo o estado, 13.317 unidades consumidoras da Celesc ainda não tiveram o retorno total do serviço.

Imagens aéreas do município de Brusque mostram diversas ruas tomadas pela água. A Defesa Civil foi chamada para socorrer moradores que tiveram as casas alagadas. Um deslizamento provocou a queda de um muro, mas não houve feridos.

Ainda na cidade, três pequenas pontes do bairro Limeira Alta caíram, deixando algumas residências isoladas. Segundo o órgão, as pessoas foram orientadas, mas preferiram não seguir para abrigos.

Em Criciúma, houve também registros de deslizamento e alagamentos e 127 famílias ficaram sem energia elétrica.

Segundo a Defesa Civil, a formação de um sistema de baixa pressão na altura do litoral catarinense continua provocando altos acúmulos de chuva, mantendo o risco de alagamentos e deslizamentos na região litorânea até a noite.

No restante do estado, também podem ocorrer temporais e há risco moderado de ocorrências relacionadas a chuva intensa, raios, queda de granizo e rajadas de vento.

De acordo com o Ciram (Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina), durante o dia, a instabilidade está se afastando em direção ao mar, diminuindo o volume de chuva no litoral.

O alerta se estende ao mar que banha o estado. O órgão afirma que rajadas de vento de 50 km/h a 60 km/h deixam as águas agitadas, com picos de onda que podem chegar a 3,5 m. A condição deve seguir a mesma pelo menos até sábado (12).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos