Greve afeta mais de 800 mil usuários de trens das linhas 7 e 10 na CPTM

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mais de 800 mil passageiros são afetados nesta terça-feira (11) por causa da greve dos funcionários de duas linhas da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

As linhas afetadas são a 7-rubi, que liga a região central de São Paulo a Jundiaí, e a 10-turquesa, que liga o Brás até a cidade de Rio Grande da Serra.

Uma das opções para os passageiros da linha 10-turquesa é utilizar os ônibus intermunicipais que ligam o ABC paulista a São Paulo. A segunda alternativa é usar um ônibus até a estação Tamanduateí, que interliga com a linha 2-verde do Metrô paulista.

Por volta das 6h, passageiros reclamavam em frente à estação de trem Santo André. Em entrevista à "TV Globo", os passageiros disseram que haviam motoristas de lotações que estavam cobrando R$ 10 para fazer o transporte entre Santo André e a estação Tamanduateí.

Os trens da linha 7-rubi circulam com intervalos maiores entre as estações Barra Funda e Francisco Morato, com transferência para o metrô. O ramal transporta diariamente 468 mil pessoas.

No trecho entre as estações, o percurso é feito por ônibus estacionados em frente os terminais. Segundo a EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo), foram disponibilizados 30 ônibus para atender o trecho.

MOTIVOS DA GREVE

Os funcionários das duas linhas são representados pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo, que realizou uma assembleia na noite desta segunda (10). "O momento é grave, mas a CPTM não honrou o acordo fechado com o sindicato", afirmou o presidente do sindicato, Eluís Alves de Matos.

Segundo a categoria, foi fechado um acordo com a companhia de trens de São Paulo em setembro do ano passado para que o pagamento do PPR (Programa de Participação de Resultados) acontecesse em 31 de março deste ano. O valor, porém, não foi pago integralmente.

A CPTM afirmou que propôs o pagamento da segunda parcela em junho. Inicialmente, seria em 30 de junho, mas durante negociações acabou antecipado para 16 de junho, além de ser incorporada a correção monetária desses dois meses.

Com isso, funcionários ligados aos sindicatos dos trabalhadores ferroviários da Zona Sorocabana e da Zona Central do Brasil optaram por aceitar a proposta da CPTM em assembleias realizadas na noite desta segunda (10). Com isso, as operações nas linhas 8-diamante, 9-esmeralda, 11-coral e 12-safira devem ocorrer normalmente.

Em nota, a CPTM afirmou que "considera irresponsável" a decisão do sindicato de paralisar.

O TRT (Tribunal Regional do Trabalho) concedeu uma liminar (decisão provisória) à CPTM mais cedo determinando que 75% dos funcionários continuem a trabalhar nos horários de pico (das 4h às 10h e das 16h às 21h), sob o risco de multa diária de R$ 100 mil. Nos demais horários, 60% de trabalhadores devem ficar em atividade.

O presidente do sindicato afirmou que está disposto a discutir com a empresa uma forma de cumprir essa determinação, mas disse que não existe ainda um plano para que isso ocorra.