Greve no transporte coletivo de Presidente Prudente completa 20 dias

·1 minuto de leitura

A greve dos trabalhadores do transporte coletivo da cidade de Presidente Prudente, no interior paulista, completou hoje (5) 20 dias. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Terrestres de Presidente Prudente e Região (Sintrattepp), a paralisação, que ocorre de forma parcial, é motivada por atrasos no pagamento dos funcionários da empresa Prudente Urbano, concessionária do transporte coletivo na cidade.

Na última sexta-feira (2), a prefeitura de Presidente Prudente iniciou uma auditoria na empresa para apurar as causas da crise financeira da companhia. Em decreto, a administração municipal instituiu uma comissão para analisar as contas da concessionária. O prazo para a conclusão dos trabalhos é de 30 dias.

No fim do mês de junho, a prefeitura já havia ingressado com uma ação na Justiça pedindo que a concessionária cumprisse integralmente o contrato de prestação de serviços. A empresa alega que enfrenta dificuldades em razão da diminuição do número de passageiros causada pela pandemia de covid-19.

“Caso a medida judicial não surta efeito, a prefeitura não descarta a adoção de outras atitudes previstas em contrato, como a intervenção e até mesmo a rescisão contratual”, informou a prefeitura em nota.

A empresa Prudente Urbano foi procurada, mas ainda não se manifestou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos