Grupo bipartidário do Senado dos EUA discute projeto de lei eleitoral reduzido

·1 min de leitura
Senadora Susan Collins

Por David Morgan

WASHINGTON (Reuters) - Um grupo bipartidário de senadores dos Estados Unidos está discutindo um projeto de lei reduzido focado em defender os resultados das eleições e proteger as autoridades eleitorais de assédio após duas derrotas dos democratas em um projeto de direito ao voto.

Os parlamentares liderados pela senadora republicana Susan Collins e incluindo os democratas conservadores Joe Manchin e Kyrsten Sinema vão se reunir virtualmente na sexta-feira para discutir a reforma da Lei de Contagem Eleitoral de 1887, às vezes chamada de ECA, que permite que membros do Congresso contestem os resultados das eleições presidenciais.

A ECA foi a base de uma tentativa do ex-presidente Donald Trump e seus aliados republicanos de derrubar a eleição presidencial em 6 de janeiro de 2021, quando milhares de apoiadores de Trump invadiram o Capitólio dos EUA e interromperam a certificação dos resultados das eleições.

Collins, que disse que seu grupo inclui seis democratas, disse a repórteres que o objetivo é "um projeto de reforma eleitoral que seja verdadeiramente bipartidário, que aborde muitos dos problemas que surgiram em 6 de janeiro e que ajude a restaurar a confiança em nossas eleições".

A Casa Branca saudou os esforços, mas deixou claro que não considera a reforma da ECA como um substituto para uma ampla legislação de direito ao voto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos