Grupo chinês Huawei demite funcionário detido na Polônia por espionagem

Huawei anunciou a demissão de um funcionário detido na Polônia por espionagem

O gigante chinês das telecomunicações Huawei anunciou a demissão de um funcionário detido na Polônia por espionagem - informa um comunicado citado neste sábado (12) pelo "Global Times", um jornal estatal chinês.

Wang Weijing, que trabalha na Polônia, foi "imediatamente" demitido, porque "este incidente teve efeitos nefastos para a reputação mundial da Huawei", aponta a companhia na nota à imprensa.

Fundada por um ex-engenheiro das Forças Armadas chinesas, a empresa é suspeita de espionagem em vários países, como Estados Unidos, Austrália e Japão, o que a proibiu de desenvolver a 5G, uma rede de internet ultrarrápida.

"A Huawei sempre respeitou as leis e as regulamentações em vigor no país em que ela opera (...) e pede que todos os seus funcionários respeitem as leis e as regulamentações do país", acrescentou o grupo chinês em seu comunicado, alegando que Wang Weijing foi detido por "motivos pessoais".

"Um polonês e um chinês foram presos por acusações de espionagem", disse o vice-ministro polonês encarregado de coordenar os serviços de Inteligência, Maciej Wasik.

Ambos foram detidos na última terça-feira por suspeita de terem agido "em nome dos serviços chineses em detrimento da Polônia", disse o porta-voz do Ministério, Stanislaw Zaryn.

O polonês envolvido era um conselheiro da subsidiária polonesa do grupo de telecomunicações francês Orange.