Grupo chinês de maquinário para infraestrutura anuncia criação de banco no Brasil

João Sorima Neto
Obras para renovação da infraestrutura do aeroporto de Macaé, no Estado do Rio

SÃO PAULO - Os chineses do Xuzhou Construction Machinery Group (XCMG) estão apostando na recuperação da economia brasileira a partir deste ano, e anunciaram nesta segunda a abertura de um banco no Brasil para financiar o setor de máquinas para infraestrutura. O XCMG é o sexto maior grupo mundial do setor de maquinário para infraestrutura e fatura US$ 30 bilhões por ano. O banco do XCMG no Brasil é a primeira unidade no mundo — nem mesmo na China o grupo possui uma instituição financeira.

— No Brasil, todos os nossos concorrentes possuem bancos que financiam seus clientes e fornecedores. Por isso, o grupo XCMG decidiu apostar na abertura de um banco para financiar o crescimento da indústria — disse Way Chien, gerente jurídico da XCMG no Brasil e que esteve à frente das negociações para que a instituição chinesa fosse aprovada no Banco Central.

O banco deve começar a funcionar no fim de março. Vai atender empresas chinesas, especialmente os fornecedores do grupo. Mas está de olho também em novas empresas chinesas que devem ser atraídas pelos leilões de concessão e privatização de estatais que devem deslanchar ainda este ano. Mas o banco também vai atender companhias brasileiras de séries ligadas à infraestrutura, como mineração e construção civil, clientes do grupo no Brasil. Haverá R$ 100 milhões de capital próprio para financiamentos. O banco também quer obter recursos do BNDES, via Finame e pretende terminar 2020 com cerca de R$ 400 milhões em empréstimos.

— Teremos outras fontes de captação, como CDI e CDBs para pessoas jurídicas. A ideia e consolidar a operação no Brasil e expandir para outros países da América do Sul, como Argentina, Uruguai, Chile, Colômbia, entre outros - disse Roberto Pontes, presidente do banco, que foi recrutado no banco Daycoval. Outras 15 pessoas, profissionais com experiência em operações de crédito a indústria, estão sendo recrutados, especialmente em bancos de montadoras.

O grupo XCMG não é um estreante no mercado brasileiro. Em 2014, inaugurou um gigantesco parque industrial em Pouso Alegre, Minas Gerais, onde também vai ficar a sede do banco. O grupo começou a estudar o mercado brasileiro em 2011, quando as perspectivas de crescimento do país eram as mais otimistas possíveis. Instalou sua fábrica num área de 1 milhão de metros quadrados com 130 mil metros de área construída. O investimento foi de US$ 500 milhões. Em 2014, veio a crise.

— Quando se olhavam as estimativas para a economia brasileira eram as melhores possíveis, mas veio a crise. Hoje temos cerca de 40 mil metros para alugar — disse Way Chien.

Por isso, a empresa obteve autorização para montar a espécie de condomínio de empresas no parque Pouso Alegre. Uma fabricante chinesa de motores para as máquinas produzidas pelo grupo na cidade mineira vai ser a primeira 'inquilina' do condomínio.

— Temos experiência fiscal, jurídica e de operação no Brasil. Para as empresas chinesas que quiserem se instalar aqui fica mais fácil — explicou Way.

O presidente global do XCMG, Wang Min, disse que a América do Sul é o quarto maior mercado para o grupo. O Brasil representa 60% do mercado sul-americana.

— Por isso escolhemos o país para fazer a fábrica Greenfield (construída do zero). Buscamos talentos locais e integramos com as vantagens globais. Já são sete anos de construção. Com a desvalorização do real, muitas empresas fecharam ou reduzirá suas ópera no país. Mas nós estamos aumentando — afirmou Min em seu discurso de lançamento do banco.