Grupo de Lira desiste de judicializar eleição e diz que acatará decisão de Maia sobre blocos

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Após se reunirem, aliados do deputado Arthur Lira (PP-AL), candidato do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à Presidência na Câmara, desistiram de recorrer ao STF (Supremo Tribunal Federal) contra a decisão do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de aceitar a adesão de partidos ao bloco de Baleia Rossi (MDB-SP) mesmo depois do prazo. Antes de voltar ao colégio de líderes, Marcos Pereira, vice-presidente da Câmara, afirmou que acataria a decisão de Maia. "O Deputado Marcos Pereira, em um ato de muita dignidade, ele representa o sentimento de todos nós para que nós não compliquemos uma eleição que está ganha, que não pode ser tumultuada na truculência nem na violência", disse Lira. Pela definição dos blocos, o PL ficaria com a primeira vice-presidência e o PSD, com a segunda. O PT ganharia a primeira secretaria. O segundo secretário seria do PSDB, o terceiro, do PSL, e o quarto, da Rede. Ao deixar a reunião, Lira defendeu sua candidatura e disse que todos os deputados precisam ter clareza nos posicionamentos da mesa diretora e no cumprimento do regimento. "Não vamos tumultuar o processo de escolha do futuro presidente da Câmara e dos integrantes da mesa. Nós vamos participar e vamos ganhar essa eleição", afirmou Lira.