Grupo que incentivava suicídio é preso após jovem de 19 anos se matar no DF

·2 minuto de leitura
Grupo foi preso por incentivar a prática de suicídio - Foto: Reprodução/PCDF
Grupo foi preso por incentivar a prática de suicídio - Foto: Reprodução/PCDF
  • Polícia prendeu quatro suspeitos de incentivar a prática do suicídio

  • A operação teve início após uma jovem de 19 anos tirar a própria vida em fevereiro

  • A garota teria sido incentivada por esse grupo e agonizado por duas horas antes de morrer

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) prendeu na última quarta-feira um grupo suspeito de incentivar a prática do suicídio nas redes sociais. A detenção aconteceu após uma jovem de 19 anos tirar a própria vida.

A megaoperação deflagrada resultou na prisão de quatro pessoas. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão em Brasília (DF), Goiânia (GO), Aparecida de Goiânia (GO), São Paulo (SP), São Roque (SP) e Rio de Janeiro (RJ), após meses de investigação.

Leia também:

A ação da polícia em torno do caso teve início com o falecimento de uma mulher de 19 anos em fevereiro, em Brasília. A vítima, que não teve a identidade revelada, tirou a própria vida em sua residência, após ingerir uma substância tóxica.

A jovem teria sido instruída por esse grupo a tomar a substância para “testar” seus efeitos no corpo, em busca de um possível suicídio futuro. Com o aparecimento de graves sintomas, a garota chamou pelos pais e contou o que havia acontecido. Ela chegou a ser levada a um hospital da Região Leste da capital federal, mas não resistiu.

Jovem foi orientada a suicidar-se pelo grupo - Foto: Getty Images
Jovem foi orientada a suicidar-se pelo grupo - Foto: Getty Images

A investigação do caso descobriu que a vítima fazia parte de um grupo de WhatsApp chamado CTBus (referência a “catch the bus”, expressão em inglês utilizada para tratar do comprometimento com o suicídio), no qual este grupo incentivava e orientava o autoextermínio.

Os suspeitos também atuavam em outras redes sociais e na Dark Web. A polícia, agora, investiga se há outros casos de suicídios ligados ao grupo.

Jovem agonizou por duas horas

Segundo informações do portal Metrópoles, a garota que tirou a própria vida em fevereiro agonizou por duas horas antes de morrer. Sofrendo com fortes dores decorrentes da ingestão da substância, ela foi levada a um hospital pelo Corpo de Bombeiros.

Após uma primeira análise, os médicos avisaram que sua sobrevivência dependeria de um medicamento chamado Azul de Metileno, que, no entanto, estava em falta naquela e em todas as unidades da rede.

Desesperados, os familiares saíram atrás do tal remédio por toda Brasília, mas sem sucesso. A jovem teve o óbito declarado às 3h40, duas horas após ingerir a substância tóxica.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos