Grupo de Telegram do TSE ultrapassa os de Flávio e Carlos Bolsonaro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O grupo criado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no Telegram para divulgar informações da corte e desmentir notícias falsas ultrapassou 200 mil integrantes na quinta-feira (17).

Ele já é o maior entre os órgãos públicos federais e ultrapassou o do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), que tem 113 mil, e o do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), com 102 mil. Ainda fica longe, no entanto, do grupo do presidente Jair Bolsonaro (PL), que conta com 1,3 milhão de pessoas.

O TSE criou o canal em 17 de maio, após celebrar um acordo com a plataforma. Entre as medidas, está a prestação de serviço de suporte técnico para o TSE operar robô que responde a dúvidas sobre as eleições e o desenvolvimento de ferramenta para marcar conteúdos "desinformativos".

Semanas depois, em 7 de junho, Bolsonaro se reuniu com o vice-presidente do, Ilya Perekopsky, e quis saber dele o que foi tratado num encontro do executivo com o TSE.

O aplicativo, amplamente utilizado por bolsonaristas, já esteve na mira da Justiça Eleitoral e esteve sob risco de ser banido do país por decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos