Grupos de cabos eleitorais entram em confronto em Niterói; candidatos se defendem

Thaís Sousa
·2 minuto de leitura

Dois grupos de cabos eleitorais de vereadores candidatos à reeleição em Niterói entraram em confronto durante uma tarde campanha no bairro da Engenhoca, na Zona Norte da cidade. A confusão foi entre os apoiadores de Luiz Carlos Gallo (Cidadania) e Renato Cariello (PDT) foi registrada em vídeo, e as imagens viralizaram.

O caso ocorreu no domingo, na Rua Dr. Francisco Sardinha, perto do DPO da Engenhoca. No vídeo, é possível ver quando um veículo preto, onde estavam os apoiadores do candidato Gallo, se aproxima. Atrás dele, está o grupo de campanha de Cariello, que corre a pé pela via, tentando alcançar os "rivais".

O carro chega a parar por alguns instantes, quando os dois grupos brigam usando as bandeiras, diante de uma multidão assustada de pedestres. O motorista, então, acelera e deixa o grupo de Cariello para trás.

Os dois candidatos se pronunciaram e eximiram seus respectivos grupos de apoiadores de responsabilidade.

Em vídeo gravado em casa, onde se recupera da Covid-19, Luiz Carlos Gallo afirmou que seu grupo de trabalho foi cercado por vândalos e agredido. Ele pretende apurar se funcionários comissionados da Câmara Municipal estavam envolvidos no caso e se houve ameaças por parte do grupo opositor.

— Estou indo para o meu oitavo mandato. Sempre respeitei situação, oposição, quem quer que seja. A democracia tem que se impôr — garante. — Eu me senti impotente dentro de casa, fazendo meu distanciamento e vendo uma agressão dessas.

Já Cariello, que tem na Engenhoca seu reduto eleitoral, por meio de nota, alegou que o veículo que aparece nas imagens avançou sobre sua militância, "gerando atrito e resultando na confusão".

— Eu repudio qualquer ato violento seja por militância, apoiadores meus ou de qualquer outro candidato. Estamos aqui para fazer com quem as vozes sejam ouvidas e trabalhamos para que nossa cidade seja referência de incçusão, respeito e dignidade. Jamais vamos apoiar atos discriminatórios ou que exaltem a violência — concluiu.