Grupos que bloqueiam rodovias ‘não são amadores’, avalia PRF de SP

Os líderes dos movimentos golpistas que bloqueiam rodovias pelo país foram classificados como
Os líderes dos movimentos golpistas que bloqueiam rodovias pelo país foram classificados como "reincidentes" e "não amadoras" pela superintendência da PRF-SP. (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)

As lideranças dos movimentos golpistas pró-Bolsonaro que contestam o resultado das eleições presidencais e bloqueiam rodovias pelo país foram classificadas como "reincidentes" e "não amadoras" pela superintendência da PRF (Polícia Rodoviária Federal) de São Paulo.

"Eles [lideranças] são reincidentes nisso, não são amadores, não são principiantes em fazer greve", afirmou o superintendente da Polícia Rodoviária Federal (PRF) de São Paulo, Fernando Miranda, em entrevista coletiva nesta terça (1º).

Segundo o chefe da PRF de São Paulo, a aplicação de multas é a medida mais eficaz para combater a ação. “Dispersas vias, obstruídas com caminhões, não é algo simples e fácil”, acrescentou.

Da tarde de segunda até o início da tarde desta terça-feira, a PRF já havia aplicado 52 multas em São Paulo, num total de R$ 525.600.

“Foram aplicadas 52 multas, a maioria no valor de R$ 5.800. Dessas, 20 são de R$ 17 mil”, disse.

“A multa é referente àquela prevista no Código de Trânsito em relação à pessoa que bloqueia a rodovia”, completou.

O estado registra 30% das multas aplicadas no País, que já chegam ao total de 180, indicou o superintendente.

Duas pessoas já foram presas: uma em Guarulhos e outra em São José do Rio Preto (interior do estado) por continuarem obstruindo vias.

Somente em SP, já foram escalados mais de 400 policiais para atuar nos bloqueios. O número deve subir para 550, indicou o superintendente. Até o início dessa tarde, havia 10 pontos de obstrução pelo estado.

PRF nega participação no movimento

Na coletiva, Fernando Miranda negou qualquer facilitação por parte da PRF no movimento.

“Afirmamos que não é verdade que a PRF está do lado de qualquer tipo de movimento que seja contra o que está na Constituição”, afirmou o inspetor.

PM atuando contra manifestações

Nesta terça, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou governadores e policiais militares a começaram a agir pela desbloqueio das rodovias.

Manifestantes insatisfeitos com a derrota do presidente Jair Bolsonaro (PL) nas eleições deste ano fecham usam caminhões e outros instrumentos para fechar vias desde a noite deste domingo (30). Os grupos pedem intervenção militar para evitar que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assuma o mandato em 2023.