Guaidó é agredido por críticos e expulso de restaurante na Venezuela

O líder opositor da Venezuela, Juan Guaidó, foi agredido e expulso de um restaurante na cidade de San Carlos, no estado de Cojedes. A presença do político, autoproclamado presidente interino do país e reconhecido por dezenas de países — entre eles os Estados Unidos e o Brasil —, causou ira em parte da população, que invadiu o estabelecimento e obrigou Guaidó e seus aliados a saírem.

Leia mais: EUA flexibilizam sanções contra a Venezuela para promover diálogo político

Setor energético: Venezuela pode ser um substituto para o petróleo russo, mas críticos temem ajudar outro homem forte

Artigo: Missão do governo Biden a Caracas mostra que Brasil perde oportunidades

O grupo, que se reunia para uma reunião do partido Vontade Popular, segundo o jornal El Universal, foi expulso com empurrões, insultos e arremessos de cadeiras, mesas e outros objetos. Gravações viralizaram rapidamente nas redes sociais, onde é possível ouvir gritos como “vá embora daqui” e “expulsem Guaidó”, que foi levado às pressas para um carro.

De acordo com o site Infobae, é possível ver nas gravações a ex-candidata à governadora de Cojedes pelo Partido Socialista Unido da Venezuela, Nosliw Rodríguez, como uma das pessoas que foram ao local contestar a presença do líder opositor. O autoproclamado presidente interno, que vê o apoio internacional e doméstico se esvair cada vez mais, faz há dias uma turnê pelo país.

O americano Brian Nichols, secretário de Estado adjunto para Assuntos do Hemisfério Ocidental, disse em um tuíte que Washington está “muito preocupada com os ataques sem provocação”, afirmando que “os responsáveis devem ser levados à Justiça”. Já Freddy Guevara, outro líder opositor do Vontade Popular, denunciou o ataque e criticou quem minimizou o episódio, afirmando que as pessoas que foram bater de frente com Guaidó “não eram cidadãos comuns, mas integrantes do regime [chavista]. Foi uma emboscada”.

Contexto: Em painel, especialistas veem série de crises globais como oportunidade para cooperação e avanços na América Latina

Análise: Fracasso de plano americano reaquece via diplomática na Venezuela

Nas redes sociais, comentários de usuários retratam a falta de unanimidade sobre o líder opositor — um deles, por exemplo, afirmava que a “Justiça chegará” para Guaidó, que “terá que pagar por todo o dano causado à Venezuela”. Os EUA e mais de 50 países reconheceram o opositor como presidente interino no início de 2019, quando ele assumiu o comando da Assembleia Nacional, reivindicando o cargo com o argumento de que Maduro havia fraudado a eleição de maio de 2018, quando foi reeleito.

Sua popularidade, contudo, é extremamente baixa atualmente. E é Maduro quem tem o controle total do território, com o aval das Forças Armadas, às quais deu muito poder. Guaidó "é uma espécie de Frankenstein político que fracassou", disse recentemente o presidente, cujo poder não está em risco.

Apesar do partido governista ter obtido menos votos que a oposição no total nas eleições regionais de 2021, Maduro manteve o controle da maioria dos estados e cidades venezuelanos por causa da divisão da oposição entre vários candidatos.

E mais: EUA aliviam restrições a Cuba, facilitando emissão de vistos e remessas de moeda para familiares

Guaidó sempre teve como maior aliado o governo americano: foi o ex-presidente Donald Trump quem liderou uma ofensiva internacional para derrubar Maduro, a quem bombardeou com sanções, incluindo um embargo de petróleo, e entregou ao líder opositor o controle dos ativos venezuelanos nos EUA. O atual governo de Joe Biden mantém o apoio, apesar de menos efusivo.

Os democratas também dão mais espaço para conversas com os chavistas e flexibilizaram algumas das sanções impostas contra o governo de Maduro, afirmando que se trata de uma forma de promover a retomada do diálogo entre o regime e a oposição. As ações incluíram a retirada de um funcionário da estatal PDVSA da lista de pessoas sob sanções e uma permissão para que a petrolífera Chevron retomasse as conversas com as autoridades locais.

Desde a decisão da Casa Branca de impor um embargo às exportações de petróleo russo, em resposta à invasão da Ucrânia, Washington e Caracas vinham dando sinais de que poderiam retomar seu diálogo. Uma aproximação pode ajudar a suprir a demanda dos americanos, ainda mais no momento em os preços dos combustíveis batem recorde — o que pode afetar as perspectivas do Partido Democrata, de Biden, nas eleições legislativas de novembro.

No fim de maio, Biden formalizou a renovação de uma licença que isenta parcialmente a petroleira Chevron de sanções à Venezuela para que possa continuar operando no país. A medida autoriza apenas a manutenção básica de poços conjuntos com a PDVSA, ficando distante de uma retomada total das exportações.

Em março, Maduro afirmou ter tido um encontro "respeitoso, cordial e diplomático" com representantes dos EUA, e disse que estava retomando "com muita força" o diálogo com os oposicionistas. Em troca, afirmou, ouviu promessas de que a política de sanções poderia ser revista "se avanços consideráveis fossem registrados no âmbito destas negociações".

Dias depois, dois cidadãos americanos que eram mantidos em poder das autoridades venezuelanas foram liberados, mas a Casa Branca garantiu que a decisão não estava ligada a uma possível retomada das licenças para exportação de petróleo, que antes de 2019 representavam 96% das receitas venezuelanas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos