Guarda-civil agride dependente químico em concentração na cracolândia

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 15.08.2022 - Movimentação de usuários de drogas da cracolândia na rua Helvétia, vista do viaduto Minhocão, em São Paulo. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 15.08.2022 - Movimentação de usuários de drogas da cracolândia na rua Helvétia, vista do viaduto Minhocão, em São Paulo. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um vídeo gravado na última quinta-feira (10) mostra o momento em que um guarda-civil metropolitano agride com golpes de cassetete um dependente químico que estava sentado em uma concentração de usuários de drogas no cruzamento das ruas dos Protestantes e dos Gusmões, na Santa Ifigênia, região central de São Paulo.

O endereço é um dos pontos da cracolândia. A Folha de S.Paulo teve acesso às imagens e apurou que a ação ocorreu pouco antes das 16h. O grupo de dependentes químicos estava concentrado no local quando foi cercado pelas equipes da GCM (Guarda Civil Metropolitana).

O vídeo mostra correria com a chegada dos guardas. Mesmo imóvel na calçada e sem oferecer qualquer tipo de reação, o homem recebe ao menos dois golpes do guarda. Somente após ser agredido é que ele levanta e deixa o local sem esboçar qualquer revide.

Procurada, a Secretaria Municipal de Segurança Urbana informou que a GCM não compactua com irregularidades e que toda denúncia é rigorosamente apurada. "Com relação à ocorrência apresentada no vídeo, a GCM irá apurar as circunstâncias dos fatos e a conduta dos agentes envolvidos", acrescentou.

O autor das agressões é alto e usava capacete branco, o que indica que ele pertence ao patrulhamento com motocicletas.

Durante a dispersão ainda é possível ouvir barulho de bombas e estampidos semelhantes aos produzidos por disparos de bala de borracha.

A reportagem tomou conhecimento de que as ações da GCM no local para dispersão são rotineiras e ocorrem até mais de uma vez por dia.

A rua dos Protestantes fica próximo ao antigo ponto da cracolândia, na praça Júlio Prestes. O local está a poucos passos da Sala São Paulo.

Em nota, a secretaria da gestão Ricardo Nunes (MDB) ressaltou que os agentes da GCM são devidamente capacitados por meio de treinamentos na Academia de Formação em Segurança Urbana para uma atuação humanizada e acolhedora, com respeito aos direitos humanos, seguindo ainda as diretrizes da Matriz Curricular da Secretaria Nacional de Segurança Pública, do Ministério da Justiça.

Em outro trecho a pasta afirma que as ações da GCM visam garantir a proteção da população local, das pessoas em situação de vulnerabilidade e dos agentes públicos das Secretarias de Assistência e Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, Saúde e Subprefeituras durante a execução dos serviços municipais realizados no território.