Guarda é preso por roubar picanha e produtos importados em supermercado

Guarda municipal foi afastado após roubar picanha e outros itens de mercado (Getty)
Guarda municipal foi afastado após roubar picanha e outros itens de mercado (Getty)
  • Além de produtos importados, guarda roubou também picanha

  • Produtos furtados somam a quantia de R$ 547,90

  • Prefeitura de Vitória (ES), também por nota, disse que o funcionário foi afastado

Armando Cristian Coelho de Sousa, Guarda Municipal de Vitória, de 33 anos, foi preso na tarde desta terça-feira (09) por furtar produtos importados em um supermercado localizado no Parque Residencial Laranjeiras, na Serra, na Grande Vitória.

Por meio das câmeras de vídeo, ele foi flagrado colocando sorvetes americanos, chocolates suíços e uma peça de picanha em uma bolsa, enquanto circulava pelos corredores, como um cliente habitual. Ao chegar no caixa, ele pagou por outros itens e depois foi embora.

Os produtos furtados somam a quantia de R$ 547,90, de acordo com uma nota fiscal emitida pelo estabelecimento.

Segundo informações do supermercado, ele foi abordado pelos seguranças particulares quando saiu da área de compras e estava no estacionamento se preparando para deixar o local. Ele se apresentou como guarda e estava armado com uma pistola .40.

A Polícia Militar (PM) foi acionada e apreendeu a arma, a munição, junto com os alimentos furtados. Os materiais foram levados para a Delegacia Regional da Serra. Onde foi registrada a ocorrência.

A Polícia Civil, em nota, disse que o guarda foi preso em flagrante por furto, mas foi liberado para responder à acusação em liberdade, depois que pagou a fiança estipulada pelo delegado.

Em consulta ao portal da Transparência da Prefeitura de Vitória, Armando aparece como funcionário concursado desde janeiro de 2017. Ele tem cargo de agente comunitário de segurança, com função gratificada de chefe de equipes de agentes comunitários de segurança. No mês passado, ele ganhou mais de R$ 8 mil.

Sobre o caso a Prefeitura de Vitória, também por nota, disse que o funcionário foi afastado do trabalho por 120 dias e disse que repudia a prática de qualquer conduta ilegal. Um Processo Administrativo Disciplinar foi instaurado contra ele.

"Os fatos narrados não representam a postura dos agentes da Guarda Municipal de Vitória, instituição que goza de credibilidade e que tem prestado relevantes serviços à sociedade capixaba", disse a prefeitura.