Guarda Presidencial deu Planalto 'de bandeja' para terroristas, diz testemunha

Segundo assessor, a sensação era de "completo abandono"

Assessor do Planalto afirma que Guarda Presidencial não agiu contra terroristas no DF (REUTERS/Ueslei Marcelino)
Assessor do Planalto afirma que Guarda Presidencial não agiu contra terroristas no DF

(REUTERS/Ueslei Marcelino)

A Guarda Presidencial do Palácio do Planalto se omitiu de proteger o local durante os atos terroristas no Distrito Federal (DF) que resultaram na depredação das sedes dos Três Poderes. A afirmação é de um assessor do Planalto que conversou com o jornalista Guilherme Amado, do Metrópoles.

De acordo com o profissional, a impressão era de que a sede da Presidência da República estava abandonada e entregue aos extremistas. Ele preferiu não revelar sua identidade por medo de represálias.

A omissão dos militares pode ser por despreparo ou conivência, aponta.

O que diz o assessor?

  • Segundo ele, “não existia comando, não existia orientação”. A impressão era de “completo abandono”;

  • Os golpistas só foram controlados após a chegada da PMDF (Polícia Militar do Distrito Federal);

  • O assessor afirma ter visto e ouvido militares indicando uma saída para os invasores;

  • Essa saída não era com a intenção de efetuar prisões, mas sim de ajudar na fuga dos extremistas;

  • Agentes do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) transitaram no Planalto, mas sem reprimir os terroristas.

“Desde a chegada dos invasores o Palácio estava abandonado, as funções e os pontos de localização dessa guarda estavam abandonados. A pergunta que fica é: onde eles estavam? Por que eles não atuaram? É impossível você acreditar que o batalhão presidencial, que é o responsável por aquela casa, não atuou conforme sua função. A pergunta é: quem estava no comando? Para mim fica muito claro que ocorreu alguma omissão ou conivência”, destacou em entrevista ao portal.

Como se organizaram os atos terroristas em Brasília? A linha do tempo interativa abaixo te mostra, clique e explore:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Obras de arte foram destruídas, itens roubados e o prejuízo ainda é calculado pelas autoridades. Veja a lista completa de obras destruídas nos ataques. Até o fim da segunda (10), pelo 1.500 envolvidos no episódio já haviam sido presos.