Guarda Revolucionária do Irã diz a manifestantes: "hoje é o último dia de tumultos"

Funeral ceremony for the victims of the Shah Cheragh Shrine attack in Shiraz

(Reuters) - O chefe Guarda Revolucionária do Irã alertou manifestantes neste sábado que este seria o último dia de ir às ruas, no sinal mais claro de que as forças de segurança podem intensificar sua já feroz repressão à agitação generalizada.

O Irã tem sido dominado por protestos desde a morte da curda Mahsa Amini, de 22 anos, sob custódia da polícia moralista no mês passado, representando um dos desafios mais ousados ​​à liderança clerical desde a revolução de 1979.

"Não venham para as ruas! Hoje é o último dia dos tumultos", disse o comandante da Guarda, Hossein Salami, em algumas das palavras mais duras usadas na crise, a qual os líderes do Irã culpam os inimigos estrangeiros, incluindo Israel e os Estados Unidos.

"Este plano sinistro é um plano elaborado... na Casa Branca e no regime sionista", disse Salami. "Não venda sua honra para a América e não dê um tapa na cara das forças de segurança que estão defendendo você."

Os iranianos desafiaram tais advertências durante a revolta popular na qual as mulheres desempenharam um papel proeminente. Houve mais relatos de derramamento de sangue e protestos renovados neste sábado.

O grupo de direitos humanos Hengaw relatou que as forças de segurança atiraram em estudantes em uma escola para meninas na cidade de Saqez. Em outra publicação, afirmou que as forças de segurança abriram fogo contra estudantes de uma universidade de medicina em Sanandaj, capital da província do Curdistão.

Vários estudantes ficaram feridos, com um deles baleado na cabeça, disse Hengaw. A Reuters não pôde verificar o relatório.

Na noite deste sábado, mais protestos eclodiram na cidade curda de Marivan, de acordo com vídeos de mídia social que mostraram manifestantes iniciando incêndios nas ruas enquanto tiros podiam ser ouvidos. A Reuters não pôde verificar a autenticidade dos vídeos.

A conta do Twitter @1500tasvir, que tem quase 300.000 seguidores, postou vídeos que mostravam manifestantes na cidade de Astara, no noroeste, acendendo uma fogueira com destroços e motocicletas apreendidas da polícia.

Enquanto isso, @1500tasvir e outras contas do Twitter disseram que as forças de segurança cercaram alguns campi, incluindo a Universidade Mashhad Azad e a Faculdade Técnica da Universidade de Teerã, para prender estudantes ativistas.

Salami emitiu seu aviso aos manifestantes enquanto falava em um funeral para as vítimas mortas em um ataque nesta semana reivindicado pelo Estado Islâmico.

MANIFESTANTES EM TRIBUNAL

A temida Guarda Revolucionária, uma força de elite com um histórico de esmagamento da dissidência, que se reporta diretamente ao líder supremo aiatolá Ali Khamenei, não foi mobilizada desde que as manifestações começaram no mês passado.

Mas o aviso de Salami sugere que Khamenei poderia soltá-los diante de manifestações implacáveis ​​agora focadas em derrubar a República Islâmica.

Vídeos postados anteriormente nas mídias sociais por grupos ativistas pretendiam mostrar protestos em várias universidades em todo o país em cidades como Kerman, Mashhad, Qazvin, Ahvaz, Arak, Kermanshah, Yazd, Bushehr e em uma dúzia de campi na capital, Teerã.

A agência de notícias ativista HRANA disse que 272 manifestantes foram mortos nas manifestações até sexta-feira, incluindo 39 menores de idade. Cerca de 34 membros das forças de segurança também foram mortos. Quase 14.000 pessoas foram presas em protestos em 129 cidades e cerca de 115 universidades, disse.

Um Tribunal Revolucionário linha-dura iniciou os julgamentos de alguns dos 315 manifestantes acusados ​​até agora em Teerã, pelo menos cinco dos quais são acusados ​​de crimes capitais, informou a agência de notícias oficial IRNA.

Os réus incluem um homem acusado de bater e matar um policial com seu carro e ferir outros cinco, disse a IRNA. Ele é acusado de "espalhar a corrupção na terra", uma ofensa punível com a morte sob as leis islâmicas do Irã.

Outro homem é acusado do crime capital "moharebeh", um termo islâmico que significa guerrear contra Deus, por supostamente atacar a polícia com uma faca e ajudar a incendiar um prédio do governo em uma cidade perto de Teerã, acrescentou a IRNA.

O tribunal é chefiado por Abolghassem Salavati, um juiz a quem os EUA impuseram sanções em 2019 depois de acusá-lo de ter punido cidadãos iranianos e cidadãos com dupla nacionalidade por exercerem suas liberdades de expressão e reunião.