Guardas espanhóis ligados a incidente na embaixada do México deixam a Bolívia

(27 dez) Posto de controle policial na entrada do complexo onde fica a embaixada do México na Bolívia

Seis membros da Guarda Civil da Espanha denunciados pelo governo boliviano por tentarem entrar na embaixada do México encapuzados, deixaram o país sul-americano nesta sexta-feira, informou em La Paz o diretor nacional de Migração, Marcel Rivas.

Ele afirmou que todos foram identificados, após as versões da imprensa local de que entraram na Bolívia com uma identidade falsa. Segundo ele, são: José Luis Rivera Pérez, Juan Manuel Fernández Chamorro, Jesus María Varas García, Jorge Santos Casaus, Sergio Mora Mendieta e Sergio Casal Rodríguez.

O pessoal de segurança foi filmado na sexta-feira da semana passada, com os rostos cobertos nas imediações da residência mexicana em La Paz, visitados pelos espanhóis Cristina Borreguero (responsável pelos negócios) e Álvaro Fernández (cônsul), ambos expulsos da Bolívia posteriormente.

A medida de "persona non grata" também chegou à embaixadora do México, Maria Teresa Mercado, que deixou o país na terça-feira, no mesmo dia que Borreguero e Fernández.

A Espanha negou pretender facilitar a saída de um dos asilados bolivianos e afirmou que houve uma visita de cortesia à residência mexicana.

Além disso, descreveu a expulsão de seu pessoal como hostil e respondeu da mesma maneira, expulsando três diplomatas bolivianos por reciprocidade.