Guardas Municipais recebem treinamento da Secretaria de Saúde para prestar primeiros socorros

Agentes da Guarda Municipal estão recebendo treinamento da Secretaria municipal de Saúde do Rio (SMS) para atender vítimas de acidentes de trânsito, tiros e outras ações externas. Segundo dados da pasta, a perda de sangue é um dos fatores que mais compromete as chances de sobrevivência de acidentados ou vítimas de arma branca, que acabam perdendo muito sangue, complicando o quadro de saúde antes da chegada dos bombeiros. A meta da SMS é treinar todo o efetivo da corporação, cerca de 7,5 mil agentes.

Covid-19: Cidade do Rio recebe 113 mil novas doses, e vacinação de adultos será retomada na próxima segunda-feira

Em liberdade: Entregador baleado e mantido sob custódia em hospital recebe alta e vai para casa após decisão da Justiça

Instrutor do curso, o professor Paulo Silveira ressalta a importância do treinamento dos agentes.

— O curso é voltado para o público leigo, não é para profissionais de saúde, e tem a intenção de melhorar o prognóstico, a expectativa de vida dessas vítimas. Essa parceria com a Guarda é muito importante, pois entendo que, muitas vezes, o primeiro agente que chega ao cidadão é o guarda municipal — afirmou.

Exibição em vídeo: Após postagens nas redes sociais, PMs que faziam segurança de rapper Orochi são presos por porte ilegal de arma

A capacitação dos profissionais, que leva cerca de duas horas, é realizada todas as quintas-feiras, pela manhã, na sede da GM-Rio, em São Cristóvão, Zona Norte do Rio. Ao todo, cerca de 250 agentes já foram capacitados. A iniciativa também procura credenciar guardas com formação na área da saúde para se tornarem instrutores e multiplicarem os ensinamentos.

É o caso de Glória Maria Bastos Barreto, de 49 anos, fisioterapeuta e comandante da Ronda Maria da Penha, responsável pela fiscalização do cumprimento de medidas protetivas a mulheres vítimas de violência doméstica na capital.

— Esse treinamento é importantíssimo porque agrega um conhecimento que ajuda a salvar vidas. Acompanhamos mulheres diariamente, por meio de visitas domiciliares, e acabamos criando um vínculo com elas, por isso, muitas das vezes, somos os primeiros a chegar ao local. Agora, além de acionar o socorro especializado, podemos auxiliar estancando possíveis sangramentos em vítimas de tentativa de feminicídio, o que infelizmente pode acontecer, principalmente com uso de armas brancas — destacou.